quinta-feira, 28 de abril de 2016

Lava Jato: Mendes Júnior é proibida de fazer contratos com o poder público

Empresa é a primeira envolvida no Lava Jato a ser considerada inidônea
Em portaria publicada no Diário Oficial nesta quinta-feira (28), a Controladoria-Geral da União declarou a construtora Mendes Júnior como "inidônea". A decisão faz com que ela fique proibida de fazer novos contratos com o poder público por, pelo menos, dois anos. A Mendes Júnior é a primeira empreiteira envolvida nas investigações da Operação Lava Jato a ser declarada inidônea. Ela se recusou a fazer acordo de leniência. Executivos da empreiteira foram denunciados após a 7ª fase da operação, deflagrada em novembro de 2014. O alvo do processo foram contratos e aditivos da Mendes Júnior com a Petrobras na Refinaria de Paulínia (Replan), na Refinaria Getúlio Vargas (Repar), no Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), no Terminal Aquaviário Barra do Riacho, na Refinaria Gabriel Passos, e nos Terminais Aquaviários de Ilha Comprida e Ilha Redonda. A CGU destacou que a decisão de declarar a Mendes Júnior inidônea foi baseada em informações obtidas com a Justiça Federal, o Ministério Público Federal (MPF), o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e a Petrobras.

0 comentários:

Postar um comentário