quarta-feira, 4 de maio de 2016

Caso Beatriz: crime pode ter sido ritual de magia negra, diz promotor

Beatriz foi morta na escola onde estudava em Petrolina/PE
A menina Beatriz Angélica Mota, de 7 anos, pode ter sido morta por questões religiosas. A afirmação é do promotor Carlan Carlo da Silva, que acompanha o caso. Ele afirma, ainda, que a Polícia Civil pode ter cometido falhas no início das investigações sobre o crime. De acordo com o G1/PE, as apurações apontam que o assassinato pode ter acontecido para atingir a escola onde ocorria festa, a Nossa Senhora Auxiliadora, que é católica.  “A forma de execução da criança, a idade, as lesões, tem alguns elementos de seita, de magia negra. Por isso que a investigação aponta que foi para atingir a religião. Mas, isso pode ter sido feito para despistar ou não o trabalho da polícia", afirma Carlan. Apesar do planejamento, o promotor acredita que Beatriz foi uma vítima de momento e que qualquer outra criança poderia ter sido morta. “Eu acho que não foi direcionado a uma pessoa especificamente. Mas a uma criança naquela mesma idade, que estivesse presente ali, fácil de ser atingida", concluiu. Após 145 dias, ainda não foram apontados responsáveis pelo crime. Beatriz foi assassinada a facadas em dezembro do ano passado, durante uma festa de formatura que acontecia na escola em Petrolina.

0 comentários:

Postar um comentário