sexta-feira, 24 de junho de 2016

Guerra de 'espadas' deixa 36 pessoas feridas em duas cidades da Bahia

Guerra de Espadas é tradição em Senhor do Bonfim e Cruz das Almas
Dezenove pessoas ficaram feridas em guerras de espadas até a manhã desta sexta-feira (24), em Senhor do Bonfim, na região norte da Bahia. Apesar de perigosa, a tradição é mantida pelas famílias da cidade, que aguardam a chegada do São João para dar início a manifestação cultural. O bairro da Gamboa é ponto de encontro dos “Espadeiros da Gamboa”, grupo com mais de 70 participantes que se reúne para guerrear há mais de 50 anos. Durante a guerra, os espadeiros usam roupas e capacetes para se proteger das espadas, mas não dispensam uma oração para pedir proteção antes de dar início a tradição. Em média, cada espadeiro leva 100 espadas para guerra, e algumas famílias chegam a gastar mais de mil reais com o arsenal. Já em Cruz das Almas, a cerca de 140 quilômetros de Salvador, a guerra de espadas está proibida desde 2011, mas a lei ainda é desobedecida por muitas pessoas durante os festejos de São João. Na cidade, a tradição já acontece há mais de 150 anos. A Polícia Militar costuma realizar rondas e fazer abordagens, mas após as saídas das viaturas, os espadeiros voltam a se movimentar pelas ruas da cidade. Entre quinta-feira (23) e a manhã desta sexta, o Hospital de Cruz das Almas atendeu 17 pessoas com queimaduras leves por causa da guerra de espadas. *Informações do G1

0 comentários:

Postar um comentário