quinta-feira, 7 de julho de 2016

Professora é agredida com soco após ser cercada por estudantes

Policial militar ajuda socorrer educadora, em Ji-Paraná (Foto: Reprodução/ WhatsApp)
A imagem de uma professora sendo socorrida por um policial militar gerou revolta nas redes sociais. Segundo a Polícia Militar (PM), a educadora de 48 anos foi agredida por uma aluna de uma escola estadual de Ji-Paraná (RO), região central do estado. Conforme registro policial, a educadora saia da aula quando foi cercada por um grupo de estudantes. Na ocasião, uma das alunas desferiu um soco no rosto da vítima, que teve um corte no supercílio. O crime aconteceu na quarta-feira (6), na Praça do Jardim dos Migrantes.

De acordo com informações da PM, a professora teria deixado as dependências da escola, quando na altura da Praça Bruno Calixto, no Bairro Jardim dos Migrantes, foi cercada por alunas que começaram a zombar da vítima. Na ocasião, uma estudante do 1º ano do ensino médio deu um soco no rosto da servidora.

Uma guarnição da Polícia Militar (PM) compareceu ao local do crime para prestar atendimento à professora, que foi socorrida ao Hospital Municipal para atendimento médico. A menor que cometeu a agressão não foi encontrada. Depois de ser localizada, a adolescente deverá ser encaminhada à Delegacia da Mulher para prestar esclarecimentos e poderá responder por lesão corporal, de acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Por meio de nota oficial, divulgada nesta quinta-feira (7), a Secretaria de Estado da Educação (Seduc) afirmou que repudia o ato de violência sofrido pela professora e que acompanhará o andamento do processo para que depois possa tomar medidas educacionais.

Repercussão
A imagem da educadora sendo socorrida após a agressão gerou revolta nas redes sociais. Moradores da cidade e do estado reprovaram a ação violenta por parte da aluna. "Está cada dia mais difícil ser professora em escola pública", disse uma usuária.

Em outra postagem, um rapaz se disse horrorizado com a situação e que a escola realmente deve punir a estudante. Uma das fotos veiculadas nas redes sociais mostra a professora com o rosto sangrando, antes de entrar no camburão da PM. *Publicação do G1

0 comentários:

Postar um comentário