terça-feira, 23 de agosto de 2016

Menor é suspeita de matar mãe e atear fogo em pai e madrasta na Bahia

Adolescente de 14 anos ateou fogo no pai; móvel foi atingido pelo fogo (Foto: Polícia Militar/Divulgação)
Uma adolescente de 14 anos é suspeita de matar a mãe a pedradas, atear fogo no pai e queimar a madrasta no município de Jussiape, na região da Chapada Diamantina. O caso ocorreu na segunda-feira (22), em um povoado conhecido como Paixão. Pai e madrasta estavam dormindo quando foram incendiados com gasolina pela garota. Eles estão internados. De acordo com a Polícia Militar, a situação foi registrada durante a madrugada e a denúncia chegou à corporação por meio do Conselho Tutelar. A PM detalha que esteve no hospital de Jussiape, onde confirmou a entrada da madrasta da jovem. Ela apresenta queimaduras no corpo e confirmou à polícia que a agressão foi cometida pela enteada.O pai da adolescente, que também teve o corpo incendiado, foi encaminhado em estado grave para um hospital do município de Vitória da Conquista. Não há informações detalhadas sobre o estado de saúde.

Após obter os relatos sobre o pai e madrasta da jovem, a PM diz que seguiu para o povoado onde ocorreu o caso. No local, o avô paterno confirmou a violência e contou que a neta tinha fugido por uma região de matagal. Testemunhas acrescentaram que a mãe biológica da jovem saiu em busca dela. Já pela tarde, por volta das 17h, a PM afirma que recebeu informações de populares de um corpo encontrado na mata. No local, foi constatado que a vítima era a mãe da jovem procurada. Investigações preliminares apontam que a vítima encontrou a filha, que ambas entraram em luta corporal e que a jovem acertou a mãe a pedradas. O corpo dela foi encaminhado para o Departamento de Polícia Técnica de Brumado (DPT), na região sudoeste.A PM detalha que adolescente foi encontrada pela polícia e que familiares relataram que ela enfrenta problemas psicológicos. Equipes de investigação da Polícia Civil estão no povoado, na manhã desta terça-feira (23), onde apuram as circunstâncias do caso. **Informações do G1

0 comentários:

Postar um comentário