quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Moradores de Itacaré protestam contra aumento no número de assaltos

(Foto: Reprodução/TV Santa Cruz)
Moradores de Itacaré realizaram uma manifestação na manhã desta quinta-feira (10) para pedir mais segurança para o município. Eles reclamam que a quantidade de assaltos aumentou e, além de maior policiamento, reivindicam um juiz permanente no município. Segundo Márcio Meneguedes, presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Itacaré, a onda de assaltos começou há pouco tempo. "Itacaré é uma cidade historicamente segura, mas nos últimos dois anos estamos sofrendo com assaltos frequentes no comércio da cidade, e isso tem influenciado muito no turismo de Itacaré. E se o turista não vem, não tem arrecadação na cidade, o comércio sofre, ninguém vende", afirmou Meneguedes, que ainda destacou que o município não tem um juiz fixo. 

"O que está faltando na cidade é um juiz permanente. O juiz substituto vem uma vez por semana, então os processos ficam parados, o juiz não consegue julgar, a polícia é obrigada a soltar o meliante, que volta a assaltar. O delegado da nossa cidade tem trabalhado, mas ele atua em dois municípios. Então o que a gente busca é, primeiro, segurança. Que acabem esses assaltos. E é fundamental que tenha um juiz fixo na cidade", acrescentou. 

De acordo com o Tribunal de Justiça da Bahia, Itacaré fica na mesma comarca que Uruçuca, a uma distância de cerca de 50 quilômetros, e que por isso só há um juiz para atender as duas cidades. A Polícia Militar (PM) de Itacaré, entretanto, não considera que a situação no município seja grave. "Hoje nós temos em Itacaré uma incidência de dois a três assaltos por mês", afirmou o Major Juarez, comandante da PM de Itacaré. "Atualmente trabalhamos com a visitação nos estabelecimentos da cidade, o que diminuiu muito a incidência dos assaltos. Entretanto, aqui temos uma situação um pouco diferente: a maioria dos assaltos é cometida por menores, que são apreendidos de duas a três vezes no mês, liberados e logo voltam a delinquir", disse o major ao G1.

0 comentários:

Postar um comentário