quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Rapatição Artecultura

Paralelo Coletivo  
É a nova banda que está pintando na área. A galera, cheia de criatividade, promete decolar para o sucesso. Quem viu e ouviu suas apresentações na Intervenção Cultural com artista plástico Arthur Campelo e no programa de Jota Bispo e Rick Andrade, na Rádio Livre, pode confirmar isso. Verônica Leite (violino), Jota (guitarra) e Izume (violão) formam a linha de frente e garantem o vocal da banda que ainda conta com o baterista João Kleber e o percussionista Jorginho Castro. Paralelo Coletivo tem estilo diversificado, com mais ênfase no pop.
O Pirofagico Caio Braga
O renascimento da cultura artística de Ipiaú encontra na pessoa de Caio Braga dos Santos um dos seus principais representantes. Aos 24 anos de idade ele vem conquistando espaço de destaque nas artes cênicas, inclusive em espetáculos circenses com números de pirofagia  e trapézio. Graduado no curso de Licenciatura em Teatro pela Universidade Estadual da Bahia (UESB), Caio agregou-se ao premiadíssimo grupo Candeeiro Encantado que a partir das experiências luso-brasileiras reconhece na Literatura de Cordel um potencial dramático capaz de jogar cenicamente com seus atores e com a plateia. Ele também trabalha com iluminação cênica que é a arte de projetar a implementação de fontes de luz ao longo dos espetáculos.
Colheita Literária                   
A colheita literária tem sido farta em Ipiaú. Mais um livro será lançado para o deleite dos amantes da boa poesia. RECEM-CHEGADO é o título da obra de estreia do jovem conterrâneo Davi Fernandes Damásio, um adolescente de 17 anos que já tem arte amadurecida. O lançamento será na noite do próximo dia 3 de dezembro, no espaço cultural de O Costelinha Bar, o point do momento. Versos ritmados, musicalidade, equilíbrio revelam Davi como um genial dublê de poeta, roqueiro e surfista. O professor, advogado e editor Paulo Magalhães (Paulão) ao concluir a leitura de “Recém-Chegado”, confessou:  - Fiquei boquiaberto, em estado de choque mesmo quando li os escritos de Davi, pela genialidade poética, e de raríssima qualidade literária. Basta dizer que o seu poema AUGUSTO DOS DANTES (uma homenagem a Augusto dos Anjos e Dante Alighieri com o seu inferno que compõe a Divina Comédia) vem sendo tema de debate com os meus alunos de hermenêutica jurídica: “Não mais filho do carbono ou do amoníaco/ provenho do vácuo ardente de outros sóis/ e caminhando calmo aqui pousei/ desconhecido da desgraça de vós...”. A propósito, como os poetas Zé Américo e Ayam Ubráis Barco, Davi Fernandes é de Ipiaú, encruzilhada de imaginários, sempre a beira do fantástico-. 
A Arte de Lula Martins 
O artista multimídia Lula Martins premia esta coluna com o psicodelismo da sua obra. Festa- Fauve Clip Pop - Acrílica sobre tela - 150x150cm-, é simplesmente magnífica.  Filho do poeta Hermes Martins e natural de Itagi, Antônio Luiz da Silva Martins (Lula) teve um dos seus primeiros contatos com a arte audiovisual no Cine Teatro Éden. Ainda jovem, vagou pelo universo pré-hippie e se envolveu com as artes plásticas. Participou da famosa Bienal da São Paulo, em meados dos anos 60, ao mesmo tempo em que se engaja no movimento tropicalista, produzindo capas de discos, cenários de espetáculos e compondo músicas que se tornaram sucesso na voz de cantores famosos. Escreveu livros e atuou no cinema e no teatro. É da autoria dele o globo que se encontra sobe a torre da 1ª PIB de Rio Novo. (Giro/José Américo Castro).

0 comentários:

Postar um comentário