segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Quinze empresas agiam em fraudes para superfaturar e vencer licitações na Bahia

Coletiva do Ministério Público detalhou operação na manhã desta segunda-feira (Foto: Rafael Teles/G1)
Quinze empresas do ramo de impressos gráficos cometiam fraudes em licitações públicas, que foram desvendadas durante operação "Quali", realizada pelo Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA), na manhã desta segunda-feira (28). De acordo com o órgão, o grupo atuava há 20 anos, período em que conseguiu vencer uma série de licitações de forma fraudulenta e articulada, com preços superfaturados em órgãos públicos estaduais e municipais. "O que o grupo fazia era entrar em contato [entre eles] para combinar quais propostas seriam feitas, para determinar o vencedor, e dividir o valor superfaturado. Se uma licitação poderia ser feita por R$ 90 mil, eles combinavam que a menor proposta seria de R$ 92 mil, e esse lucro era divido pelo cartel", explicou o promotor de justiça Luciano Taques Ghignone, durante entrevista coletiva concedida na manhã desta segunda-feira. Ainda de acordo com o promotor, em algumas ocasiões, quando uma empresa de fora do esquema participava da licitação, o cartel não conseguia vencer e ter acesso ao superfaturamento. No total, a operação cumpriu 21 mandados de busca e apreensão. Sete pessoas foram presas temporariamente, e outras sete foram conduzidas coercitivamente para prestar esclarecimentos sobre o caso. Das sete prisões temporárias, seis aconteceram em Salvador, e uma em Aracaju. De acordo com o MP-BA, o suspeito preso em Aracaju deixou a capital baiana na noite de domingo (27) com objetivo de participar de uma nova licitação para impressos gráficos. *Informações do G1

0 comentários:

Postar um comentário