sábado, 2 de dezembro de 2017

No aniversário de Ipiaú, Prefeitura e Câmara "esquecem" de hastear bandeiras

Bandeiras não foram hasteadas na Câmara e na Prefeitura.
Em pleno aniversário do município de Ipiaú, a Prefeitura e a Câmara Municipal não realizaram um procedimento de praxe nessa data comemorativa, o hasteamento das bandeiras do município, do estado e da nação. Poucas pessoas notaram a gafe, mas fizeram questão de cobrar das autoridades políticas do município o "esquecimento". Até por volta do meio-dia, as hastes em frente aos prédios da prefeitura e da câmara permaneciam vazias. *À tarde, por volta das 15h, as bandeiras foram hasteadas devidamente.

Aniversário
Neste sábado, dia 2 de dezembro, o município de Ipiaú completa 84 anos de emancipação política. O marco inicial da colonização do Município de Ipiaú aconteceu na segunda década do século passado, aproximadamente no ano de 1913 quando chegaram os primeiros desbravadores. Antes a região era habitada pelos índios Tapuias. O lugarejo foi chamado de Rapa-tição e, segundo alguns, a origem desse termo deveu-se uma briga entre duas mulheres que se serviam de lenha em brasa como arma, enquanto outros explicam que tal nome era corruptela da palavra "Repartição", pois que no arraial funcionava um posto de arrecadação de tributos fiscais, instalado em 1916 pela Intendência de Camamu. A 1º de agosto de 1916, Rapatição passou à categoria de distrito, com o nome de Alfredo Martins, pertencente ao município de Camamu. Em 1930 foi elevado a subprefeitura, com o nome de Rio Novo e em 1931 foi desmembrado de Camamu e anexado ao município de Jequié.  Mais tarde, exatamente em 31 de dezembro de 1943, uma reformulação administrativa impôs a mudança do nome de Rio Novo. Quando foi emancipado em 1933, Rio Novo (Ipiaú) passou a ser constituído pelos distritos de Barra do Rocha, Tesouras (Ibirataia) e Dois Irmãos (Ubatã), desmembrados respectivamente em 1961, 1952 e 1961. 

0 comentários:

Postar um comentário