sábado, 13 de janeiro de 2018

Fernando Gabeira vai abordar crise na região cacaueira em programa na GloboNews

Documentário sobre a região cacaueira será exibido na GloboNews (Fotos: Lís dos Anjos)
Durante dois dias seguidos o jornalista Fernando Gabeira esteve na região sul da Bahia colhendo informações e imagens para uma reportagem que será veiculada no domingo dia 21 de janeiro, às 18:30 horas, em seu programa no canal por assinatura GloboNews. Aspectos ambientais, econômicos e sociais serão abordados na matéria cujo principal foco é a prolongada crise da cacauicultura regional, suas causas, consequências e possibilidades de soerguimento. 
Dilson Araújo - autor do documentário cinematográfico "O Nó" foi entrevistado por Gabeira.
Muitas fontes foram consultadas por ele. Uma das principais foi o documentário cinematográfico “O Nó”, dirigido pelo ipiauense Dilson Araújo defensor da tese de que a doença conhecida como “vassoura-de-bruxa” (Moniliophtera perniciosa) foi criminosamente disseminada na região. Um ato deliberado de terrorismo biológico. Provavelmente o documentário "O Nó" seja citado na matéria e, quem sabe, ainda uma entrevista com Dilson Araújo, diretor do filme. 

Documentarista registrou várias imagens da região cacaueira.
A questão do desmatamento das cabrucas, substituindo-as por pastagens de gado bovino, o desaparecimento de nascentes, indícios de desertificação em algumas áreas da zona cacaueira, o desemprego, o êxodo rural, a crescente criminalidade nos centros urbanos, foram outros aspectos que chamaram a atenção do famoso jornalista. Além do aparecimento da doença vassoura-de-bruxa com sua ação devastadora e acentuadas quedas do preço do cacau no mercado internacional, estiagens prolongadas como a verificada no ano de 2016, ocasionou uma grave crise econômica em toda a região. Ao entrevistar o engenheiro agrônomo José Roberto Benjamim, Fernando Gabeira tomou conhecimento da orientação governamental no combate à vassoura-de-bruxa e o fracasso total dessa ação, o que potencializou a crise. 
O olhar de Gabeira não viu só os desastres, mas contemplou também a exuberância da Mata Atlântica.
O olhar de Gabeira não viu só desastres. Também se voltou para a exuberância da Mata Atlântica e do cacau-cabruca, sua biodiversidade, os projetos preservacionistas e ações regeneradoras. Ele constatou que homens de boa vontade como Edmond Ganem, Edvaldo Bruni, Victor Becker, dentre outros, que se dedicam à preservação da biodiversidade e ao reflorestamento, reacendem a esperança de melhores dias na região. Foi na Fazenda Santa Maria do Jenipapo, de Edvaldo Bruni, que a reportagem do GIRO IPIAÚ, teve a oportunidade de entrevista-lo (veja entrevista no youtube)
O jornalista José Américo (GIRO) entrevistando Fernando Gabeira (Foto: Lis dos Anjos)
Em Ilhéus, Gabeira conheceu uma plantação de cacau consorciada com pau-brasil, madeira muito requisitada para a fabricação de violinos. No município de Camacan ele ficou encantado com a reserva Serra Bonita, pioneira e inovadora iniciativa privada de conservação de florestas na região sul da Bahia. Trata-se de um condomínio que se estende por 2.500 hectares contendo varias RPPNs(Reservas Particular do Patrimônio Natural). A experiência tem recebido prêmios internacionais.
Outros detalhes observados por Gabeira e registrados pelo cinegrafista Mauricio de Souza serão focados no primeiro programa que a dupla gravou neste ano de 2018. Com essa reportagem o Brasil conhecerá os impactos do terrorismo biológico do cacau e a tentativa de soerguimento de uma das regiões de maior riqueza, biodiversidade e beleza do planeta. “A região sofreu. Tenho a impressão de que ainda não se recuperou dos impactos que lhe trouxeram dificuldades, mas ela tem potencial de superar tudo isso”, concluiu Gabeira. (José Américo Castro/GIRO)

0 comentários:

Postar um comentário