quarta-feira, 16 de maio de 2018

Acusado de atear fogo e matar sogra em Gongogi é preso em São Paulo

Crime foi registrado em maio de 2015. José Orlando era considerado foragido da justiça.
A Polícia Militar prendeu, nesta terça-feira (15), na cidade de Mairinque, no estado de São Paulo, um homem suspeito de atear fogo e matar a sogra em Gongogi (ver aqui). José Orlando Dias de Moura foi encontrado pela PM no bairro dos Moreiras, na cidade paulista. José Orlando Dias de Moura era procurado pela Justiça desde maio de 2015, quando ocorreu o crime. Ele foi preso depois que a polícia recebeu uma denúncia. Os policiais fizeram patrulhamento pelo bairro e encontraram o suspeito, que tentou fugir ao perceber a presença da viatura, porém foi contido. Em revista pessoal, nada de ilícito foi localizado com o suspeito. Questionado, José Orlando apresentou uma CNH falsa, mas acabou revelando o nome verdadeiro. Os policiais constataram a situação de procurado pelo crime cometido no sul da Bahia e foram até a casa em que o homem se escondia. A residência pertencia ao irmão do suspeito, que também foi detido quando a polícia localizou uma arma de calibre 22 e 26 munições. A dupla foi levada ao Distrito Policial para elaboração da ocorrência. José Orlando permaneceu detido à disposição da Justiça, enquanto o irmão do suspeito foi liberado após o pagamento de fiança.

O crime
José Orlando é acusado de jogar gasolina e atear fogo na idosa Hilda Quirino Santos e no neto dela. Segundo informou a família na época, o crime ocorreu durante uma briga entre José Orlando e a esposa. "Ele estava separado da minhã irmã e pediu para voltar. Tinham oito dias que eles tinham reatado. Eles começaram a discutir. Minha mãe mora na casa ao lado, estava costurando e foi defender a minha irmã. Ele estava com o galão de gasolina e, quando foi jogar em minha irmã, a minha mãe atravessou na frente. Todo o pessoal se mobilizou com extintor, água, areia, mas não deu para salvá-la", disse na época, André Luis Barbosa, filho mais novo da idosa. O neto dela, de  21 anos, sofreu queimaduras em parte do corpo e se recuperou após um período internado em hospital Itabuna. José Orlando fugiu em seguida em um carro, e desde então era procurado pela polícia.