terça-feira, 29 de maio de 2018

Entenda porque a greve dos caminhoneiros ainda não acabou

O governo federal diz que já chegou ao limite das negociações com os caminhoneiros e que atendeu as principais reivindicações da categoria. Uma delas é a promessa de queda de 0,46 centavos no preço do diesel por 60 dias. Líderes dos caminhoneiros dizem que a questão agora não tem mais relação com a categoria. Eles culpam os ‘intervencionistas’ pela continuidade da greve da categoria, que entrou no nono dia de paralisação nesta terça-feira. Segundo eles, esses movimentos se infiltraram entre os caminhoneiros para difundir ideias em favor do intervencionismo militar e derrubada do governo Michel Temer. “Existem aqueles que não encerraram a greve porque querem intervenção e derrubar o governo. E existem também aqueles que se sentem comprometidos com a população e passaram a defender também a queda do preço da gasolina”, afirma Ivar Schmidt, líder do (Comando Nacional dos Transportes (CNT).

Na avaliação de Schmidt, os caminhoneiros não podem se comprometer com a pauta de toda a população. “Quando um professor faz greve, ele para pelas causas dos professores. Não dá para uma única categoria querer resolver os problemas da população toda.” Schmidt afirma que os intervencionistas conseguiram o apoio dos caminhoneiros, pois são eles que abasteceram os grevistas com água e comida. “É fácil manipular o caminhoneiro, eles estão desconfiados com as promessas do governo, pois nada do que foi prometido na greve de 2015 foi cumprido.” Leia mais na VEJA