Mostrando postagens com marcador História de Ipiaú. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador História de Ipiaú. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Um giro na evolução histórica de Ipiaú

O embrião da futura cidade.
Os impactos do crescimento. “Na década de 20, a localidade era tão farta que possuía muito mais vendedores que compradores”, observa a historiadora Sandra Regina Mendes. Praticamente todos os moradores tinham sua roça que lhes provinha o sustento básico. Nessa época o aglomerado urbano sofreu vertiginoso crescimento. A chegada de novas pessoas possibilitou a especulação imobiliária e o aumento de número de casas. Com a emancipação (em 1933) e as sucessivas administrações municipais Ipiaú começou a experimentar crescimento e sofrer grandes transformações urbanas.
Praça Rui Barbosa.
Surgiam novas ruas, bairros, avenidas, obras de infra-estrutura e saneamento básico, prédios escolares, postos de saúde e outros benefícios. Na gestão do prefeito Pedro Caetano Magalhães de Jesus, no período de 1948-1952, foi construído o Estádio de Futebol que atualmente tem o seu nome. Na gestão do médico Salvador da Matta (1955-59), fundador do Ginásio de Rio Novo, foi construída a ponte sobre o Rio das Contas, ligando Ipiaú à Vila de Japomerim, no município de Itagibá. Seu sucessor José Motta Fernandes (1959/1963) constrói a ponte sobre o rio Água Branca, o Mercado Municipal e outras obras importantes. Nessa época Ipiaú já contava com 20.000 habitantes. Novas transformações urbanas viriam a acontecer na gestão do prefeito Euclides José Teixeira Neto (1963/67), ocasião em que Ipiaú recebe o titulo de “Município Modelo da Bahia”. Coube a ele a construção do Ginásio Agrícola Municipal de Ipiaú (GAMI), o Parque de Exposições, o Bairro da Democracia. Foi um período de grande expansão urbana.
Rua Dois de Julho.
Nas décadas de 1970/80 são abertos loteamentos, pelos senhores Américo Castro, Waldemar Sampaio e Antonio Luz. Esses empreendimentos resultaram nos bairros da Conceição, Constança, Aloísio Conrado, Santana e ACM. O processo expansionista continuaria impondo transformações urbanas nas décadas seguintes quando Ipiaú foi se consolidando como pólo do comercio regional. Antigos prédios residenciais deram lugar a modernas lojas e outros estabelecimentos comerciais. Com o advento da mineração do níquel no município vizinho de Itagibá, na primeira década do século 21, a especulação imobiliária se intensificou em Ipiaú. Apesar da cidade não lucrar com os royalties com a chegada da mineradora Mirabela, em 2007, já que a empresa está localizada oficialmente na cidade de Itagibá, os impactos se convergiram no centro de Ipiaú. “E ainda assim nosso orçamento continua pequeno”, afirmou o secretário de urbanismo Helvécio Cardoso.
A cidade cresce em todos os quadrantes, de forma desordenada. As bucólicas paisagens dos seus arredores dão lugar a conjuntos residenciais, avenidas, ruas, praças. Alguns bairros surgem de maneira desordenada e contribuem com o inchaço das periferias. Com o crescimento das invasões irregulares, aumentaram a prostituição, os conflitos sociais e a necessidade de mais serviços públicos. Moradores antigos de determinados bairros precisam, hoje, conviver com lojas comerciais que não existiam e surgiram com a chegada de trabalhadores da empresa Mirabela vindos de outros estados. Essa tendência poderá se manter se a administração do município não aplicar com urgência o que recomenda o Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano.   Ainda assim, em Ipiaú não houve crescimento vertical. O único prédio que começou a ser construído permanece inacabado no centro da cidade. Novos bairros começam a surgir em cima das montanhas, com casas luxuosas. (Giro/ José Américo Castro)

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Ipiaú: Da mata virgem à colonização

“A foto retrata uma das fazendas que deram origem à cidade de Ipiaú” 
No inicio era a mata virgem com seus bichos e índios, estes da nação Tapuia, temíveis pela valentia. Tinha espírito guerreiro, mas não resistiram à invasão do homem branco que chegou, em maior numero, a partir do inicio do Século XX. Os primeiros  a pisarem no solo que hoje constituem as terras ipiauense foram extrativistas de óleos de madeiras e outras essenciais da mata virgem. O pesquisador Dilson Araújo, colheu junto a antigos depoentes que essas pessoas viviam em transito pela região e sendo assim a elas não pode ser atribuído o mérito de colonizadores. O historiador Clemilton Andrade, tio do empresário Cleraldo Andrade, em seu livro “Uma Vida em Várias Épocas e Lugares”, importante fonte escrita primária da História de Ipiaú nos traz ideia dos primórdios da colonização.

-As matas iam caindo, seculares jequitibás, frondosos vinháticos, jacarandás, itapicurus, enfim todas as espécies que constituem a rica flora caiam aos vigorosos golpes dos machados vibrados pelos musculosos braços dos imigrantes. No lugar das matas surgiram então os cacauais, os cafezais e as pastagens. As ruas do lugarejo cresciam,se estiravam,novas  levas de imigrantes chegavam, o comercio se expandia,negociava-se,roubava-se,brigava-se e matava-se”.  (Giro/ José Américo Castro)

Pioneiros de Ipiaú; Organização Social

Os pioneiros que um dia chegaram não plantaram somente os cacauais, mas também a cultura, a educação, o comércio, a organização social e fundiária. Nesse time entram em campo Moysés Santos, Servolo Ornellas, Noival Suarez e Evelina Freire, dentre outros. Na foto que ilustra este capítulo alguns deles aparecem no grupo retrato em frente à residência do italiano José Miraglia, na atual Praça Rui Barbosa.

Moysés Santos
No ano de 1916 o lugarejo que veio a se tornar na cidade de Ipiaú foi elevado à condição de Distrito de Paz e recebeu o nome oficial de Alfredo Martins, em homenagem ao presidente da Câmara Legislativa de Camamu. A partir de então teve inicio a instalação de repartições públicas, sendo um delas a Escrivaninha de Paz, a qual foi confiada ao cidadão Moysés Ferreira dos Santos que antes residia em Camamu. Clemilton Andrade descreve Moysés Santos desta maneira: -Individuo de estrutura alta, bem nutrido, alegre, simpático. Dada a representação do seu cargo (o mais elevado da época)Moysés  tornara-se por muitos anos a principal figura do lugarejo”.  O Juízo de Paz foi entregue ao cidadão Avelino Rocha Galvão de Melo que antes exercia as funções de médico charlatão.

Noival Suarez
Filho de espanhol, negociante em Salvador, Noival Durant Suarez, pai do ex-vereador Normando Suarêz, é outro personagem que faz parte do grupo pioneiro do município de Ipiaú. Noival exerceu a função de agrimensor. “Os imigrantes derrubavam matas e faziam suas plantações em terrenos do Estado. Tinham porem de mandar medir as suas glebas e para isso chamavam os agrimensores, que passavam por engenheiros. Clemilton Andrade conta que Noival era “possuidor de um espírito alegre e extrovertido, humorista nato, gargalhava e fazia gargalhar os seus interlocutores  com suas tiradas espirituosas. Adquiriu uma propriedade e também plantou cacau”.
                                                                       
Servolo Ornellas
Por volta de 1920 o povoado já se chamava Rio Novo, nome que segundo a historiadora Sandra Regina Mendes só foi adotado oficialmente, dez anos depois, na ocasião da elevação à categoria de sub-prefeitura. Foi nessa época que chegou por estas plagas um individuo irrequieto chamado Servolo Ornelas, proveniente de Santo Antônio de Jesus. Este homem tinha um prelo manual com o qual compunha e imprimia o jornal “O Democrata”, de conteúdo noticioso, humorístico e político. Clemilton Andrade traça assim o tipo físico de Servolo:-Homem de estatura alta, magro, nervoso, sorrisos e voz estridentes, os dois caninos superiores desmedidamente grandes, recobertos de ouro, faiscavam quando  esganiçava a boca  com seu alto e largo sorriso”. Além da imprensa Servolo Ornelas em sociedade com Avelino Melo implantou em Rio Novo o trafego postal, isto é, o correio. “Lá por volta de 1922 (conta Clemilton Andrade), foi criada a Agência  Postal, sendo essa repartição entregue a Servolo que instalara em sua própria residência e a dirigira como agente até 1936, passando a tesoureiro da referida agencia, já então postal telegráfica”. Servolo era avô do ex-senador e ministro da Previdência Social, Waldeck Ornelas. 

Evelina Freire
A primeira escola pública estadual de Rio Novo foi instalada no ano de 1923 e teve como regente a professora Evelina Freire. A principio essa escola funcionou na principal sala da residência de Moysés Santos depois foi transferida para uma casa isolada, em um pasto, entre a propriedade dos árabes (nas imediações da atual agencia do Banco do Brasil) e a parte principal do lugarejo. A professora Evelina lecionou até o ano de 1952, quando se aposentou. (Giro/José Américo Castro)

Ipiaú: Os fundadores da cidade

Elias Midelj e D. Vitória.
Os árabes (Marons, Midlejs e Atalas) e aos italianos (Grissis e Miraglia) foram os primeiros a se fixarem na localidade que hoje constitui a cidade de Ipiaú. Isso ocorreu por volta de 1916, conforme registro do historiador Clemilton Andrade que prosseguindo em sua narrativa explica: -Chegaram depois Domingos Castro, proveniente de Muritiba, e José Bento, ocupando as extremidades  do povoado e ,estabelecendo-se com fazendas para  o sul. Logo após a propriedade de Domingos Castro (no inicio da atual Avenida São Salvador) estabeleceram-se os senhores José Gomes e José Brandão. Um pouco mais adiante rio abaixo, estabeleceram-se os irmãos Hohlemwerger: João e Durval, de origem suíça.

Para a parte de cima, logo após os árabes e italianos que ocupavam a região onde hoje é o centro da cidade, vieram José Bento, Manoel Pedro, Leandro, Epifânio Vieira e já 9 km rio de Contas acima instalara-se Artur Duarte. Esses homens derrubaram matas, construíram casas, instalaram estabelecimentos comerciais, promoveram o crescimento do povoado.

Devido ao uso de armas de fogo por parte dos seus moradores que se envolviam em constantes brigas, o arraial foi batizado com a toponímica de “Rapa Tição”. Uma outra versão indica que a origem dessa denominação decorre da corruptela da palavra repartição. O local se tornara, por volta de 1920, um Distrito de Paz de Camamu, com a denominação de Alfredo Martins. Os cartórios e escrivaninha de paz constituíram uma repartição que passou a ser uma referência da localidade. O povo da região ao se dirigir para o arraial dizia que ia à rapatição. Fuá e Encruzilhada do Sul foram outros nomes dados ao embrião de Ipiaú. Tem ainda outras versões que veremos adiante. (Giro/ José Américo Castro)

Os prefeitos de Ipiaú

Salvador da Matta e José Mota Fernandes
Em 17 de dezembro de 1930 o então distrito de Rio Novo foi elevado à condição de subprefeitura de Camamu. Com isso ganhou uma nova estrutura administrativa, inclusive tendo sido criado o cargo de subprefeito, o qual tinha a função de tratar das questões locais. Foram três os subprefeitos de Rio Novo: Waldomiro Almeida Santos, Osório Cordeiro da Silva que conseguiu que a subprefeitura fosse anexada ao município de Jequié, Leonel Dias Andrade (1931/32) e Antônio Augusto Sá (1932/33) em cuja gestão ocorre a emancipação política de Rio Novo (2-12-1933) continuando no cargo como prefeito nomeado. Ao conquistar a sua autonomia política, Rio Novo passou a contar com o cargo oficial de prefeito. Alguns desses prefeitos, a exemplo de José Mendonça, Hildebrando Nunes Rezende, José Motta Fernandes e Salvador da Matta (foto), também foram vereadores na Câmara Municipal de Ipiaú. Da relação dos prefeitos constam as seguintes personalidades:

Antônio Augusto Sá (17/12/1933-1934) - Quando subprefeito realizou os primeiros calçamentos de ruas (Siqueira Campos e Floriano Peixoto) da localidade. Durante a sua gestão o cenário político nacional estava muito agitado. Fundou o Partido Social democrático (PSD) no município e logo após sai do cargo.

José do Eirado Silva (07/10/1935-1936)- Filho do Coronel Guilherme Silva, um dos fundadores da cidade de Jaguaquara e cunhado de Leonel Dias de Andrade liderança política que o PSD pleiteava atrair para os seus quadros. Dai a substituição de Antônio Augusto Sá por José do Eirado Silva.

Leonel Dias de Andrade (1936-37) - Primeiro prefeito eleito. Em 1932, exerceu a função de subprefeito. Sofreu forte oposição dos integralistas que tinha em Rio Novo as lideranças de Durval Hohlenwerger Filho, Aristóteles Andrade e Dr. Fontana. Os integralistas desafiam as ordens do prefeito que então autorizou ao delegado Domingos Castro a recolher todas as camisas verdes, mesmo através da força. Após o golpe de 1937 (Estado Novo), Juracy Magalhães que não apoiou Getúlio Vargas foi destituído do governo da Bahia e o seu aliado Leonel Andrade exonerado do cargo de prefeito de Rio Novo. Com a ação do delegado teve inicio declínio do partido integralista no município.

Eurico Simões Paiva (17/12/1937-1938) - Era médico e foi responsável pela implantação da iluminação elétrica em Rio Novo. Em sua gestão também foi implantado o Posto de Higiene, com direção do médico Jaldo Reis. Esse trabalho promoveu a erradicação de varias epidemias na região. Exonerou-se do cargo de prefeito, depois que saiu sua nomeação como médico legista do estado.

Jaime Pontes Tanajura (11/03/1940-1943)-Médico e membro de família tradicional de Caetité. Fez o primeiro calçamento a paralelepípedos, na Rua Dois de Julho.

Agostinho Cardoso Pinheiro (26/03/1940-1943)- Advogado, natural de São Miguel das matas. Ampliou os calçamentos a paralelepípedos e promoveu melhorias em vários distritos. Na década de 1960 foi eleito deputado estadual. Era pai do artista plástico Antônio José Pinheiro e da professora Ana Maria Pinheiro.

Antônio Lisboa Nogueira (12/06/1945-1946)-Sergipano de Laranjeiras foi o primeiro cirurgião dentista a se instalar na região. Lutou pela emancipação política do município. Durante o seu mandato foi instalada a Comarca de Ipiaú, sendo o primeiro Juiz de Direito, Dr. Milton Costa. Mandou construir currais de matança (abatedouros bovinos) na sede e em todos os distritos do município. Auxiliou na fundação da Loja Maçônica, Rotary Club de Ipiaú e agencia local do Banco do Brasil.

José Borges de Barros (28/04/1946-05/12/1946)- Primeiro médico de Ipiaú. Chegou na localidade em 1923, atraído pelo desenvolvimento da região e pela demanda de médicos devido ao alto índice de malária. Tornou-se muito querido pela população  e deixou numerosa família.

Sandoval Fernandes Alcântara (05/12/1946-1948)-Comerciante em Ubatã, pessedista, foi indicado pelo ex-prefeito Antônio Nogueira. Nomeado no período de transição para a redemocratização do país, após o fim do Estado Novo. Trabalhou na construção de estradas no interior do município e promoveu o calçamento da Rua Silva Jardin.

Pedro Caetano Magalhães de Jesus (1948-1952)-Natural de Senhor do Bonfim, advogado, foi o primeiro prefeito eleito em Ipiaú após o fim do Estado Novo (ditadura de Getúlio Vargas).Sua administração foi marcada pelo investimento na educação, sobretudo no ensino primário. Construiu várias escolas no município, dentre elas o Colégio Celestina Bittencourt. Durante a sua administração foi fundado o Ginásio de Rio Novo e construído o Estádio Municipal de Futebol que posteriormente recebeu o seu nome.

José Muniz Ferreira (1952-1955)- Mais conhecido como Juca Muniz, genro do coronel Durval Hohlenwerger e irmão de Edízio Muniz Ferreira. Promoveu a ampliação da rede de esgotos das ruas Anchieta, Rio Branco, Castro Alves, a colocação de meios fios da Rua Juracy Magalhães e a remodelação da Praça Rui Barbosa.

Salvador da Matta (17/04/1955 14/04/1959 e 1971-1973)-Natural de Catú foi um dos maiores intelectuais da região. Homem culto, formou-se em medicina pela Universidade Federal da Bahia com apenas 22 anos de idade, em 1937. No ano seguinte instala-se em Rio Novo passando a exercer a sua profissão. Em 1950 fundou o Ginásio de Rio Novo, marcando uma nova fase na educação do município. Sua primeira administração municipal se caracterizou por investimentos em obras de saneamento básico, ampliação de rede de esgotos, calçamento de ruas e construção de escolas. Construiu a ponte sobre o rio das Contas, ligando Ipiaú à vila de Japumirin, no município de Itagibá. Na segunda gestão construiu o Centro Administrativo do Município, pavimentou diversas ruas e concluiu a iluminação da cidade com lâmpadas a vapor de mercúrio. 

José Motta Fernandes (14/04 /1959 a 07/04/1963 e 07/04/1967 a 1971, além de 1996-2000)- Único político a administrar o município de Ipiaú em três ocasiões. Era natural de Sergipe, residia inicialmente no distrito de Barra do Rocha sendo um dos representantes do mesmo na Câmara Municipal de Ipiaú. Em seu primeiro governo, dentre outras obras, construiu a ponte sobre o rio Água branca, nivelou a Rua do Cruzeiro e calçou as ruas Mira Rio, Alfredo Brito e José Muniz Ferreira, iniciou a obra de construção do Mercado Municipal e promoveu melhorias no distrito de Algodão. Na segunda gestão remodelou o Colégio Celestina Bittencourt, concluiu o Mercado Municipal. Na terceira gestão pavimentou diversas ruas e realizou inúmeras outras obras.

Euclides José Teixeira Neto (07/041963 a 07/04/1967)-Nascido no povoado de Jenipapo, município de Ubaíra, filho de Patrício Rezende Teixeira e Edith Coelho Teixeira, advogado, escritor, maior líder político da historia de Ipiaú. Criou a Fazenda do Povo, o Ginásio Agrícola Municipal de Ipiaú (GAMI) e o bairro da Democracia. Em sua gestão, considerada a mais progressista da historia local, com apoio da comunidade é instalado o primeiro hospital publico do município e o Parque de Exposição Agropecuária. No mesmo período Ipiaú recebe o titulo de “Município Modelo da Bahia”, concedido pelo Governo Federal.
Hidelbrando Nunes.
Hildebrando Nunes Rezende (1973-1977 e 1983-1988)-Líder carismático e populista, natural de Ipiaú, investiu no assistencialismo, eletrificou diversas regiões da zona rural, construiu pontes e estradas  e expandiu o bairro da Democracia. Mandou compor o Hino de Ipiaú, fundou o Museu do Lavrador e criou a Secretaria da Cultura, além de construir a Praça do Cinquentenário. Pavimentou a Avenida Getúlio Vargas, Avenida do Contorno, Bairro Euclides Neto e Rua do Honório. 

José Borges de Barros Junior (1977-1982) - Também conhecido como Zequinha Borges, trabalhou para a modernização da cidade, levantou verbas para a construção do Ginásio de Esportes e pavimentou diversas ruas.

Miguel Cunha Coutinho (1988-1992)-Natural de Ibirapitanga foi deputado estadual e manteve o estilo populista na gestão do município de Ipiaú. Suas principais obras como prefeito foi a construção do Conjunto Habitacional Antônio Carlos Magalhães (o bairro ACM), a construção do novo matadouro municipal, a pavimentação do bairro da Conceição e da Rua da Granja. Era formado em sociologia mais nunca exerceu a profissão.

Ubirajara Souza Costa (1992-1996)-Nascido no distrito de Córrego de Pedras, interior do município de Ipiaú, filho do lendário Pedrão, é médico cirurgião. Em sua gestão publica houve investimento na área da saúde e educação, com destaques para as construções do CETAN e os Colégios Ângelo Jaqueira, Edvaldo Santiago, Patrício Teixeira, Pastor Paulo e o Hospital da Mulher. 

José Andrade Mendonça (2000-2004 e 2004-2008) - Natural de Sergipe, filho do famoso empresário Mamede Paes Mendonça, ganhou a simpatia do eleitorado ipiauense e se tornou  um dos líderes  políticos mais carismáticos e  fervorosos da historia do município. Em suas duas gestões implantou  um estilo norteado na austeridade e transparência, combateu a corrupção, realizou inúmeras obras nas áreas de habitação, saneamento básico, infraestrutura e  educação. Incentivou a cultura, investiu na assistência social e promoveu a organização da cidade. Seu grande projeto,  a construção do Parque da Cidade, não chegou a ser concluído por questões políticas. 

Sandra da Purificação Lemos – Administradora de empresas e natural de São Gonçalo dos Campos. Na condição de suplente de José Mendonça em sua segunda gestão, assumiu o cargo de prefeita de Ipiaú no ano de 2008, sendo assim a primeira mulher a ocupar tal posição no município. Disputou a eleição seguinte com o médico Deraldino Araújo que lhe derrotou e assumiu o comando do município.

Deraldino Alves de Araújo- Nascido em Itapitanga, reside em Ipiaú há 30 anos. É médico pediatra e se elegeu prefeito após concorrer em três eleições consecutivas. Realizou obras de infraestrutura básica, esgotamento sanitário, pavimentação, abertura de novas ruas e bairros, construiu quadras poliesportivas e inaugurou o Centro de Abastecimentos transferindo para este local as duas feiras livres que existiam na cidade. (Giro/José Américo Castro)