Personalidades Folclóricas de Ipiaú: Roberto Carlos, o tiete do rei


Pense num cara fanático pelo famoso cantor Roberto Carlos. Pois
é, em Ipiaú tem um desses. Seu fanatismo é tanto que ele chegou a admitir
trocar de nome pra ficar igualzinho ao do astro que idolatra sem nenhum
acanhamento. Mas não precisou ir tão longe porque o povo providenciou lhe
apelidar do jeito que queria: Roberto Carlos. E o fã vibra quando assim é
chamado. Jorge Lima Alves, 54 anos, dono de um bar e cambista do Jogo
do Bicho, natural desta cidade, mais conhecido como “Roberto Carlos”, tem como
principal motivo da sua existência a tietagem ao celebre artista da MPB. Conhece
toda a trajetória do “Rei”, coleciona os discos, DVDs, recortes de jornais,
enfim tudo que se refere ao ídolo e que está ao seu alcance.
O acervo que ele juntou ao longo do tempo, desde criança, é
exposto em seu estabelecimento comercial denominado de “Detalhes Bar”, na rua Adenor dos Reis Soares, bairro Euclides Neto.
O ambiente é todo decorado com fotos, capas de discos e outras estampas do cantor.
Até um exemplar do primeiro disco de Roberto Carlos, um compacto simples (com
as musicas João e Maria/Fora do Tom) gravado no ano de 1959 pela Polidor, ali
se encontra. Os frequentadores da casa podem ouvir o repertório completo de
Roberto Carlos, assim como assistirem vídeos e filmes sobre a vida do artista.
Uma réplica da certidão de nascimento do filho de seu Robertino e dona Laura
Braga, é peça importante no acervo. O estabelecimento já foi motivo de reportagens de emissoras
de televisão, rádios, jornais e outros órgãos da imprensa baiana.
Como não poderia deixar de acontecer, o súdito fareja as
oportunidades de cortejar a sua  majestade. Sendo assim não mede sacrifícios
para assistir aos shows do Rei, ficar, ao vivo e à cores, bem juntinho ao
palco. Isso já ocorreu em três ocasiões. Numa delas o tiete não conteve a
emoção e desmaiou. Em outra , no dia 11 de junho de 2005, em Salvador, teve o
merecimento de adentrar no camarim e ser fotografado ao lado do artista. É o
seu grande trunfo, mostra as tais fotografias a todos que tocam no assunto. O que possibilitou o ingresso no cobiçado camarim foi um
book que Jorge guarda com muito orgulho e que contem valiosas referências sobre
o artista. A produção exibiu o trabalho a Roberto Carlos e este mostrou imediato
interesse em conhecer o xará de Ipiaú.
“O Rei me recebeu com muito carinho e até parece que ficou
meu fã”, garante o cambista ao lembrar dos momentos em que esteve no camarim do
artista. Prosseguindo ele narra: “Após folhear o álbum, Roberto me perguntou
por que eu lhe cortejava assim. Então respondi : é porque Deus criou você prá
cantar e eu lhe admirar”. Roberto Carlos, o fã, afirma que nunca se esquecerá daqueles
momentos de tantas emoções junto ao seu ídolo. Quando trata nesse assunto ele
procura ilustrar  com a frase
principal  de uma das celebres musicas do
do artista. “Essas recordações me matam”. 
(Giro/José Américo Castro)