Prefeito Gilson Fonseca consegue limpar o nome de Itagibá no CAUC

Resgatar a credibilidade do município foi uma das prioridades estabelecidas pelo prefeito Gilson Fonseca.
Após anos, o município de Itagibá, estava impedido de celebrar convênios com a União, a Administração do Prefeito Dr. Gilson Manoel Fonseca (DEM - Democratas), dá mais um importante passo na busca de melhoria para a população itagibense. O município conseguiu, nessa última semana, todas as certidões negativas de débito junto ao (CAUC) Cadastro Único de Convênios uma espécie de SPC/Serasa das prefeituras brasileiras. Com o nome sujo, o município não conseguia captar recursos junto aos órgãos federais, reduzindo assim a sua capacidade de investimentos, vez que no Serviço Auxiliar de Informações para Transferências Voluntárias (CAUC) espelhava registros de informações de que Itagibá se encontrava inadimplente inclusive com pendências financeiras, contábeis e fiscais, geridas pelo Governo Federal, discriminadas na Instrução Normativa STN n°. 2, de 2 de fevereiro de 2012.

Em janeiro de 2017, quando a nova gestão assumiu a Administração da cidade, foram encontrados diversos registros de irregularidades com inúmeros órgãos, dentre eles, a Receita Federal com uma dívida de R$: 7.944.824,53 (sete milhões, novecentos e quarenta e quatro mil, oitocentos e vinte e quatro reais e cinquenta e três centavos) informada através do Oficio Circular da Receita Federal nº. 03/2017/ETOP/DRF-ITA/SRRF05/RFB/MF-BA de 20 de fevereiro de 2017, proveniente de débitos relativos a diferença a menor na folha de pagamento dos funcionários detectadas em relação a GFIP - Guia de Recolhimento do FGTS e de Informações à Previdência Social e para a GPS – Guia de Pagamento do INSS do período de janeiro de 2013 a dezembro de 2016; também uma dívida de DCTF - Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais não transmitida de R$: 39.980,04 constava também débitos em aberto com a Embasa de R$: 135.597,32, Coelba R$: 94.551,65 e Telefonia Oi R$: 14.480,60, além disso o ex-gestor não pagou os fornecedores deixando uma dívida de R$: 1.052.353,60 totalizando um montante de R$: 9.281.787,74 além de outros valores que não param de surgir.  Conhecido como um exime Administrador e cauteloso com os gastos públicos, Dr. Gilson no seu quinto mandando à frente dos destinos de Itagibá comentou que “nunca imaginou que receberia o município de Itagibá como recebeu no início de janeiro, sabemos que a situação dos municípios, em especial do norte e nordeste são as piores possíveis tendo em vista uma crise instalada que persiste, além da suspensão desde 2015 da exploração minerária por parte da Mirabela, deixando de ingressar nos cofres públicos de Itagibá cerca de R$ 1.100.000,00 (um milhão e cem mil reais) entre ICMS, ISS e CFEM”.

O gestor afirmou ainda que a sua gestão tem se pautado na austeridade e na valorização do dinheiro público. Resgatar a credibilidade do município foi uma das prioridades estabelecidas pelo prefeito Dr. Gilson Fonseca, no início do seu mandato.  Há muito tempo estávamos com o nome sujo na praça, resultado de uma Administração incompetente e desastrosa, a partir desse momento teremos ainda mais possibilidades de construir uma cidade melhor para os cidadãos. Itagibá passa a integrar um “seleto rol” de municípios que estão adimplentes com o governo federal. “Quero agradecer a toda a minha equipe, empenhada na busca de mais uma conquista para a nossa cidade, comemorou o prefeito.” *Informações da Ascom PMI