Fazendeiro diz que extração de cascalho prejudica nascentes em Ipiaú; Prefeitura nega degradação

Segundo o fazendeiro, uma das nascentes prejudicadas seria a do Rio Água Branca.
O portal de notícias CORREIO (Correio da Bahia) divulgou nesta sexta-feira (13) uma matéria sobre o imbróglio a respeito da extração de cascalho no município de Ipiaú. Conforme a reportagem, Marllus Andrade, proprietário de uma área vizinha a Fazenda do Povo (de onde era extraído o cascalho usado para obras nas zonas rural e urbana do município) acusa a administração de retirar material da sua propriedade, o que é negado pela atual gestão municipal. Ao site a  prefeitura admitiu que por mais de 30 anos as gestões anteriores retiraram, sem licença ambiental alguma, cascalho da área da Fazenda do Povo. A atividade exploratória continuou na gestão atual, iniciada em 2017, e segundo Marllus Andrade, avançou para a propriedade dele, tendo a Prefeitura, supostamente, retirado cascalho entre os meses de setembro e outubro do ano passado.
Marllus se queixa ainda de retirada de cascalho em sua propriedade (Foto: Divulgação)
O dono da Fazenda Harmonia estima que a Prefeitura tenha retirado 23.841 metros cúbicos de cascalho que valeriam pouco mais de R$ 317 mil. As estimativas constam num relatório feito por ele mesmo e que serão levados ao Inema e ao MP-BA. Marllus se queixa ainda de que durante a retirada do cascalho quatro nascentes que ele preserva foram prejudicadas. As nascentes vão para o Rio Água Branca e depois para o Rio das Contas. “Nunca vendi uma galeota de cascalho”, afirmou Marllus, segundo o qual a atividade econômica da Fazenda Harmonia é cacauicultura. A Prefeitura, por meio da Procuradora Geral Isabelle Velúcia Dias de Araújo, nega a degradação às nascentes e diz que os dados apresentados sobre a suposta retirada de cascalho são fantasiosos. “Paramos com a retirada de cascalho na Fazenda do Povo e demos entrada no Inema e no DNPM para que possamos obter as devidas licenças de extração. Enquanto elas não forem obtidas, não vamos retirar mais cascalho”, afirmou ao CORREIO. Por conta da suspensão da retirada de cascalho na Fazenda do Povo, estradas da zona rural e ruas da cidade, prejudicadas com as constantes chuvas que caem na região desde o mês de maio, não estão recebendo cascalhamento.