Candidato à presidência da OAB-BA, Gamil Föppel faz campanha em Jequié

quarta-feira, outubro 24, 2018
O advogado Gamil Föppel, candidato à presidência da Ordem dos Advogados da Bahia (OAB) pela chapa Renova OAB 30, participou, na noite desta terça-feira (23), do lançamento da chapa na cidade de Jequié, acompanhado de advogados e advogados que atuam na região. Segundo o candidato, dentre as principais queixas ouvidas, está a falta de apoio da atual gestão da Ordem.
Para os presentes no Sindicato Rural da cidade, Gamil afirmou que a preocupação com o interior do estado será um dos principais focos de sua gestão, caso eleito. “A gente não pode olhar para os problemas que sempre existiram e nada fazer. Nós, do movimento Renova OAB, somos advogados militantes e sabemos onde o calo aperta”.

Gamil lembrou, ainda, que a vice-presidente da chapa, Larissa Camandaroba, é uma advogada atuante em Barreiras. “Essa escolha demonstra a nossa preocupação e a importância que o interior tem para a gente. Juntos, queremos levar ordem para a Ordem e boas práticas de gestão para a nossa entidade”.

O advogado Márcio Hudson, candidato à presidência da subseção de Jequié, ressaltou que a subseção do município tem sido esquecida nos últimos anos. Segundo Márcio, a chapa encabeçada por ele vai focar, entre outros aspectos, em promover um maior apoio ao jovem advogado, sem deixar de assistir, também, o advogado mais experiente. “Iremos trabalhar de forma intensa para isto, tendo a defesa das prerrogativas como nossa grande bandeira”, destacou.

Há sete anos na cidade, o advogado Luã Lincoln também reclamou de falta de apoio da atual gestão da OAB. “A advocacia como um todo tem suas dificuldades e, em Jequié, não é diferente. Fomos abandonados pela seccional apenas pelo fato de não termos apoiado a chapa de Luiz Viana na eleição anterior. Isso aconteceu na primeira eleição dele também. Nós só conseguimos a reforma da subseção com ofícios cobrando à sede”.

Antes do lançamento da chapa, Gamil visitou a cidade de Ipiaú, onde ouviu advogados e advogadas e apresentou projetos e propostas. Formada há três anos e atuante em Ipiaú, a advogada Camila Philadelpho relatou as dificuldades de advogar em Ipiaú. “A nossa subseção precisa mesmo de atenção. Culpam a gente, os jovens advogados, por exemplo, de reduzir valores dos honorários. Dizem que a gente está desvalorizando a profissão, mas a OAB não apoia o jovem advogado para entrar no mercado de trabalho e se manter. A gente está sofrendo muito. Os jovens precisam de orientação. Essa realidade precisa mudar”, destacou.