Opinião: A desorganização e o descrédito eliminaram a Seleção de Ipiaú

segunda-feira, outubro 01, 2018
*Por José Américo Castro*

Ao perder para a Seleção de Cachoeira por 1 X 0, gol de pênalti cobrado pelo zagueiro George, a  Seleção de Ipiaú deu adeus ao Campeonato Intermunicipal 2018. Diante das condições adversas que sofreu ao longo da competição foi  até onde não se esperava. O elenco caiu com bravura nos dois jogos do mata mata, na segunda fase. Honrou sua tradição diante de um adversário poderoso, que apesar de todas as vantagens soube lhe respeitar. Foi dentro de Cachoeira que Ipiaú conquistou  o seu primeiro titulo no Intermunicipal.

A campanha da Seleção de Ipiaú no Intermunicipal 2018 esteve marcada por tropeços e imprevistos. Ganhou apenas dois jogos, ambos dentro de casa, sofreu quatro derrotas e obteve dois empates.

Apesar de uma defesa sólida, tendo como destaque o zagueiro Relex, um dos melhores do futebol amador baiano, apresentou uma linha de frente sem objetividade e um meio de campo irregular. Sofreu oito gols e marcou seis. Apenas contra Ibirapitanga a equipe não perdeu fora de casa, mas também não ganhou. Ficou no empate de 0X 0. 

Desorganização, descrédito, perseguição, incompreensão, comprometeram a equipe no embaralhado das dificuldades. Foram três treinadores nesses oito jogos e poucas condições possibilitadas pela diretoria da Liga Desportiva Ipiaú (LDI) para que os atletas estivessem estimulados em campo. 

Eles não contaram com material esportivo suficiente, assistência médica adequada e outros requisitos importantes. Nem mesmo gelo para ser aplicado em eventuais contusões. Um atleta sofreu uma fratura durante o treino da última sexta-feira e pouca atenção recebeu por parte da diretoria ou comissão técnica.

Os dois goleiros (Rai e Gustavo Muqueca) ameaçaram desfalcar a equipe caso não lhes dessem um par de luvas. O pedido foi atendido por torcedores. Ambos deixaram de treinar na terça e quarta-feira dessa semana que antecedeu o confronto em Cachoeira. 

Faltando dois dias para esse jogo, onde esteve desfalcada de quatro titulares (Esquerdinha, Cebolinha, Grilo e Müller),  a diretoria da LDI providenciou a contratação do centro-avante Vitinho, de Vitória da Conquista. E este chegou para não dizer nada. Fez apenas um treino e não rendeu o que se esperava. Outro atacante vindo de fora, Balotelli, pouco contribuiu para o elenco. Passou a maior parte do tempo machucado.

Jovens atletas, com boa capacidade técnica, não foram prestigiados em detrimento de uma filosofia de valorizar o velho, ditos “rodados”, cujo pneus murchos pouco contribuíram para levar o carro adiante. A Seleção seguiu capenga  no pouco tempo que lhe deram nesta  edição do campeonato.

A quem diga que a Prefeitura foi demasiadamente exigente, intransigente, inflexível, na questão do repasse da verba de manutenção do time, mas a LDI foi extremamente desorganizada, complicada e morosa na prestação de contas, na apresentação de documentos, na negociação com o Poder Público e até com a Policia Militar.  Sem falar no pouco caso que deu  às  mínimas reivindicações dos atletas. 

Quem saiu perdendo foi a torcida ipiauense que tanto gosta do futebol e proporcionou boas rendas  no Estádio Pedro Caetano. (Giro/ José Américo Castro).