Funcionários de empresa terceirizada protestam em frente a Prefeitura de Ipiaú

terça-feira, dezembro 11, 2018
Segundo os contratados, a empresa está devendo três meses de salários (Foto:: Giro Ipiaú).
Um grupo de trabalhadores da F2 Empreendimentos (Garbbo), empresa contratada pela Prefeitura de Ipiaú, através de licitação, para a prestação de serviços diversos das unidades públicas municipais, esteve na tarde dessa terça-feira, 11, em frente ao prédio da Prefeitura Municipal, reivindicando os pagamentos atrasados. Segundo os contratados, a Garbbo garantiu que os salários seriam pagos nesta terça-feira, 11. 
Protesto aconteceu na tarde dessa terça-feira (Foto: Giro Ipiaú)
"O pessoal da Garbbo está informando que nós temos que recorrer à prefeitura e a prefeitura manda a gente resolver com eles. Fica esse jogo de empurra e ninguém sabe quem vai resolver. O certo é que quem está no prejuízo agora somos nós que trabalhamos três meses e não recebemos ainda", comentou Cristiano, um dos 115 funcionários contratados pela empresa. "Como é que a gente fica agora? Um ano e seis meses de carteira e agora nós vamos perder tudo assim é?", questiona outro trabalhador. Após cerca de 20 minutos em frente a prefeitura, os contratados foram convocados a entrarem na prefeitura e ouvirem as explicações da Procuradoria do Município. 

Município aguarda autorização da justiça
Em nota divulgada na semana passada, a prefeitura informou que acionou a justiça para rescindir o contrato com a F2 Empreendimentos. Ao GIRO, na tarde dessa terça-feira, 11, a Procuradora do Município de Ipiaú, Isabelle Velúcia Dias de Araújo, informou que até o momento, a empresa ainda não emitiu as notas fiscais de outubro e novembro, e acrescentou que acionou a justiça para que o município possa pagar a cada funcionário diretamente. "Não mandaram as notais fiscais, então o município não tem como pagar. Nós entramos com uma ação judicial pedindo uma liminar  para a prefeitura pagar diretamente a cada contratado, mas isso tem que ter uma autorização judicial, o que pode ocorrer brevemente", destacou a procuradora. Nossa reportagem não conseguiu ouvir a empresa citada. Segundo foi informado, o proprietário reside na cidade de Serrinha. Os contratados temem perder os três meses de salários atrasados e os direitos trabalhistas. (Giro Ipiaú)