Jogando em Ipiaú, Doce Mel vence PFC Cajazeiras pela Série B do Baianão


Partida aconteceu no estádio Pedro Caetano (Fotos: Giro Ipiaú/Romário Henderson)
Pela primeira vez na história, o estádio municipal Pedro Caetano recebeu um jogo de futebol profissional, e a estreia foi com o pé direito, com a importante vitória do Doce Mel por 1 a 0 sobre o PFC Cajazeiras, gol marcado pelo meia Mateus Souza, ainda no primeiro tempo.
O JOGO
O desempenho do Doce Mel foi bem abaixo do esperado, principalmente no primeiro tempo, onde se viu muita ligação direta e pouca movimentação dos jogadores. O PFC Cajazeiras esteve mais tempo com a bola, mas não tinha nenhuma objetividade. Foi um primeiro tempo morno, mecânico e exaustivo até para quem assistia. Mas numa bola parada, o zagueiro Herberth desviou e Mateus Souza empurrou pro gol, abrindo o placar.

No segundo tempo as equipes mudaram o comportamento e o jogo ficou mais aberto. O Doce Mel era muito insinuante nas jogadas individuais de Tiago Carnaíba, o time começou a criar situações de gol e perdeu alguns gols, seria uma boa oportunidade para fazer saldo de gols. O volante Kaefer, o atacante Tiago Carnaíba e a dupla de zaga foi muito bem, mas a queixa fica por conta da enorme limitação dos laterais e da demora em Salles fazer as alterações, e quando as fez, faltou ser mais arrojado. Mais uma vez Giba ficou no banco e não entrou, embora a torcida tenha gritado o seu nome. Um grande enigma é a ausência até mesmo do banco do atacante Adnael Secão, que sempre se destacou pela Seleção de Ipiaú por toda sua habilidade e velocidade. O próximo jogo do Doce Mel será no próximo domingo, 07, em Salvador, contra o líder Olímpia, único time com 100% de aproveitamento. 
OUTROS RESULTADOS

As demais partidas da rodada terminaram assim: UNIRB 2X1 Galícia; Canaã 0x3 Olímpia. Com o final da quarta rodada o Campeonato Baiano da Série B segue com a seguinte classificação: Olímpia com 12 pontos lidera a competição. PFC Cajazeiras, Doce Mel, Canaã e UNIRB tem 6 pontos. O lanterna é o Galícia com nenhum ponto. (Giro/Romário Henderson)