Mulheres do MST ocupam portaria da Mirabela e interrompem parcialmente os trabalhos da empresa

sexta-feira, março 08, 2019
Mulheres do MST protestam em frente a portaria da Mineradora (Foto: Giro Ipiaú)
Cerca de 250 mulheres integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), regional Baixo Sul, interditaram a portaria principal da Mirabela, na manhã dessa sexta-feira, 08, com o objetivo de protestar contra as tragédias ocasionadas pelo rompimento de barragens de rejeitos de mineradoras, assim como  prestar uma homenagem ao transcurso do Dia Internacional da Mulher. O ato contou com o apoio do Movimento pela Soberania Popular na Mineração (MAM) e pela Comissão Pastoral da Terra (CPT), além de um grupo de homens que militam no MST.
Em protesto, mulheres vestiram azul e homens rosa (Foto: Giro Ipiaú)
Portando cartazes e faixas, vestindo de azul, para contrariar a orientação da ministra Damares Alves,  pronunciando palavras de ordem e cânticos alusivos às lutas populares, as manifestantes conseguiram interromper parcialmente os trabalhos da empresa e marcar uma audiência com a diretoria da Mirabela para tratar de alguns assuntos, dentre os quais a questão da segurança da barragem de rejeitos desta mineradora. Com o mesmo intuito das mulheres, os homens do MST, presentes no ato, vestiram blusas cor de rosa.
Polícia Militar acompanha de perto a manifestação (Foto: Giro Ipiaú)
Em todo o país as mulheres do movimento realizam  manifestações semelhantes. A militante Rosa Conceição, destacou que nesta Jornada Nacional de Luta das Mulheres Sem Terra existem duas datas importantes: o Dia Internacional da Mulher e um ano do assassinato de Marielle Franco. Ela lembrou que a preocupação com a barragem de rejeitos também visa a segurança da população dos municípios à jusante do Rio das contas.
Portaria principal da mineradora foi interditada durante manifesto (Foto: Giro Ipiaú)
Na via de acesso à portaria os trabalhadores da mineradora aguardavam o final do protesto para iniciarem suas atividades. Muitos veículos, dentre os quais ônibus estavam estacionados ao longo da estrada. O horário do final do protesto não foi informado, mas existe uma expectativa de termine por volta das 12 horas. Vale lembrar que a mineradora já teve uma parte de sua área ocupada por três ocasiões por integrantes do MST. ( Giro/José Américo Castro).