Opinião: “A Seleção Brasileira deixou de ser, até mesmo, a melhor da América”


*Por Romário Henderson

Cinco títulos mundiais, quatro títulos da Copa das Confederações, oito títulos da Copa América… São alguns números de conquistas da Seleção Brasileira, que lhe credenciaram, por muito tempo, ao status de líder do ranking da FIFA e melhor seleção do futebol mundial. Hoje, o que se vê, é uma seleção que deixou de ser protagonista e deixou de ser, inclusive, a melhor seleção da América. Posto esse, hoje, creditado ao Uruguai de Oscar Tábarez, Cavani, Suárez e Godín.

A Seleção Brasileira atual, comandada pelo técnico Tite que, diga-se de passagem, deixou de ser unanimidade, tem transmitido muita insegurança e perdido completamente o prestígio perante o torcedor brasileiro. Isso porque, em duas atuações diante de Bolívia e Venezuela, a equipe demonstrou um futebol muito pobre e pouco envolvente, levando o torcedor a vaiar e a gritar olé em toque de bola da seleção adversária.

Contra bolivianos e venezuelanos, seleções que por suas limitações técnicas optaram em se posicionar defensivamente, a Seleção Brasileira encontrou enormes dificuldades em penetrar. Sem variação de jogadas, sem maior exploração pelos lados e boas infiltrações, além de demasiado jogo pelo meio, mesmo o setor estando congestionado, levaram a seleção a uma atuação bem pragmática.

Um jornalista esportivo de uma importante emissora reclamava em sua conta no twitter do fato de Tite fazer mistério na escalação para enfrentar a Venezuela. É incompreensível a arrogância de alguns da imprensa esportiva que ainda acham que o Brasil é tão superior, como outrora, a tais seleções. Não somos mais os melhores. Há muitas seleções à nossa frente. As de pequeno porte evoluíram sobremaneira na parte tática, sabem se posicionar, se defendem muito bem, e por isso tem oferecido resistência à Seleção Brasileira. Tite parece continuar insistindo em opções que não estão funcionando. Na Copa da Rússia insistiu em um Gabriel Jesus ineficaz e pagou o preço. Agora, após duas rodadas, será que continuará com um Firmino que não está bem? Com um Richarlison que vai muito mal até aqui, enquanto Everton Cebolinha está aí pedindo passagem?

É bom frisar que o mau desempenho na Copa América não está relacionado à ausência de Neymar, pois desde a Copa da Rússia a Seleção Brasileira vem deixando a desejar em suas atuações. O Brasil continua revelando muitos talentos, o material humano podemos considerar como bom, mas aí cabe ao treinador explorar da melhor forma as potencialidades de cada jogador e fazer essa seleção vencer jogando um futebol leve e alegre, características do nosso futebol que sempre atraiu admiradores e encantou o mundo.