Advogados cobravam 7% sobre o valor da ação para interferir em julgamentos no TRT-5


-Do CORREIO

Documentos obtidos pela Satélite revelam que os suspeitos de operar um esquema de venda de decisões judiciais no Tribunal Regional do Trabalho da 5ª Região (TRT5), desbaratado ontem pela Operação Injusta Causa, cobravam em torno de 7% sobre o valor da ação para interferir em julgamentos realizados na Corte.

De acordo com investigações realizadas pelo Ministério Público Federal (MPF), advogados com influência junto a integrantes da Quinta Turma do TRT5, sediado na Bahia, procuravam representantes jurídicos de empresas e de pessoas físicas com decisões desfavoráveis em processos trabalhistas e garantiam modificar votos contrários ou ajustar acórdãos para atender aos seus interesses. Em troca, exigiam uma “taxa de êxito”.

Índice carimbado. O percentual da propina consta na decisão em que o ministro Raul Araújo, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), autoriza a Polícia Federal a cumprir mandados de busca e apreensão contra quatro desembargadores e três advogados. Leia mais no CORREIO