Diretoria da Aspra é investigada por fraude e desvio de dinheiro, diz SSP


Foto: Alan Oliveira/G1

Além de ter as sedes interditadas durante uma operação do Ministério Público da Bahia (MP-BA), a Associação dos Policiais e Bombeiros Militares e seus Familiares (Aspra) também teve as atividades suspensas por tempo indeterminado a partir desta quarta-feira (16), por determinação da Justiça. A diretoria da associação também é investigada por fraude e desvio de dinheiro.

As informações foram divulgadas pelo MP e pela Secretaria da Segurança Pública do estado (SSP-BA), durante coletiva de imprensa. A ação faz parte de uma investigação do Ministério Público da Bahia, com apoio da SSP, para apurar se integrantes da Associação têm relação com os crimes ocorridos em Salvador após paralisação de policiais militares anunciada pelo grupo.

“Há uma decisão judicial suspendendo completamente as atividades da Associação, interditando as sedes e, portanto, ela não pode funcionar. E ninguém pode falar por ela em termos de funcionamento. Quem praticar qualquer ato que descumpra essa determinação judicial pode sim estar cometendo crime também de desobediência”, disse o coordenador do Centro de Apoio Operacional da Segurança Pública e Defesa Social (Ceosp), procurador de Justiça Geder Gomes.

Segundo o secretário estadual da Segurança, Maurício Barbosa, além de envolvimento nos ataques, a diretoria da Aspra também é investigada por fraude nas eleições da mesa diretora do grupo e desvio de dinheiro da entidade para contas pessoais. No entanto, não foram detalhadas quantias e nem as identidades dos envolvidos.