Novo diretor do HGI destaca melhorias na unidade hospitalar


Foto: Divulgação.

A necessidade de solução para problemas que vinham travando o bom funcionamento do Hospital Geral de Ipiaú fez com que o Governo do Estado, através da SESAB, indicasse o enfermeiro sanitarista Alexandro Miranda (Alex) para uma intervenção de 10 dias na direção da unidade. O trabalho que ele fez foi tão eficaz que decidiram nomeá-lo para o cargo de diretor geral. Com vasta experiência no setor administrativo, o novo diretor detectou as deficiências, saneou problemas, equilibrou as finanças, descobriu talentos, acatou sugestões construtivas, impôs ordem na casa. Enfim, deu cara nova à instituição, implantando importantes projetos e ampliando os serviços.

Alex Miranda é o diretor do HGI (Foto: Giro Ipiaú)

O choque de gestão colocou a máquina nos trilhos, permitindo uma avaliação positiva por parte da população usuária e dos funcionários que entenderam a proposta. Em dois meses o HGI experimentou substancial melhoria na sua estrutura e funcionamento. A tendência é de crescimento, tendo em vista que recursos na ordem de R$ 2 milhões serão injetados pela Secretaria Estadual de Saúde (Sesab) em um projeto de ampliação dos serviços, começando pela requalificação do setor de emergência e da maternidade, passando pela ambivalência da clínica médica, e indo até outros setores essenciais.

Adequação de espaçosBoa parte do espaço que se encontrava ociosa, foi reaproveitada, possibilitando mais comodidade na casa. O número de leitos subiu de 53 para 65 e novos equipamentos foram introduzidos. A readequação de espaços permitiu a implantação do consultório de egressos (revisão), bem como a sala de avaliação e classificação de risco obstétrico, além da sala de observação pediátrica e a brinquedoteca. Também aconteceu a revitalização das áreas externas que nunca foram aproveitadas.Árvores e flores estão sendo plantadas, valorizando ainda mais a melhoria da ambiência de convivência. Em uma dessas áreas foi realizada a festa do Dia da Criança que reuniu filhos de funcionários do hospital e de moradores das ruas adjacentes. Os avanços prosseguem na normatização e organização de fluxos de acompanhantes e visitantes, disciplinando o acesso, assim como na organização da hotelaria com a disponibilização de enxovais para pacientes e acompanhantes, sendo que estes devem fazer uso do crachá de identificação. Gestões anteriores evitavam fornecer uniformes para os pacientes, temendo furtos. Hoje todos os pacientes internados estão fardados.

HumanizaçãoA nova gestão incrementou a equipe multiprofissional de modo a garantir maior eficiência na prestação de serviço. Neste contexto inclui-se assistência de nutrição, fisioterapia, farmácia durante todos os dias, o mesmo acontecendo com os atendimentos de endocrinologia e pediatria. Também foi implantado o serviço de cardiologia para assistência ao paciente internado. Antes eles tinham que se deslocar do leito para o local onde eram submetidos aos exames de imagem. Até uma assessoria de imprensa foi criada, com o objetivo de garantir mais transparência nas ações do HGI. Junto a ela funcionará a “ouvidoria” que é um canal de comunicação dos pacientes, familiares, funcionários e a comunidade em geral com a instituição.

A implantação de programas de humanização do atendimento que é essencial para reduzir o sofrimento de quem precisa ser internado ou se consultar em um hospital, vem sendo viabilizada com sucesso através de quatro eixos distintos: Parto com Arte, Posso Ajudar?, Cuidando de quem cuida e Amigos do HGI. Cada um deles merece uma matéria especial que o GIRO já colocou em pauta. O novo diretor do HGI entende que a assistência à saúde deve deixar de considerar apenas a doença, passando a cuidar do doente, da pessoa que, circunstancialmente, está sofrendo. “Além da dimensão física, a pessoa deve ser atendida também em seu componente social, psíquico e emocional”.

Especialidades

Unidade de médio porte e referência microrregional, o HGI tem uma rede de assistência voltada para urgência/emergência, clínica médica e maternidade, com especialidades em urologia, ortopedia, pediatria, obstetrícia, cardiologia, endocrinologia e mastologia. Além destas especialidades o hospital terá um neurologista e um angiologista. O HGI também conta com o Serviço de Apoio Diagnóstico e Terapêutico (SADAT) que envolve radiologia, eletrocardiograma, ultrassonografia, com o incremento da ultrassom com Doppler, e laboratório, funcionando diariamente, com excelente precisão.

Recentemente foi realizada nesta unidade de saúde, a primeira cirurgia oncológica pelo SUS no município de Ipiaú. O procedimento bem-sucedido vem tendo continuidade. O diretor Alex Miranda informa que está sendo instalada uma ala destinada a pacientes portadores de câncer de mama. No período de 25 de setembro a 9 de outubro, aconteceu no HGI um mutirão de cirurgias que atendeu a 262 pacientes, sendo 57 histerectomias, 149 colecistecctomias e 56 cirurgias de hérnias. O diretor pretende promover o retorno de cirurgias ortopédicas,

Demanda

Pacientes de 10 municípios da região buscam o Hospital Geral de Ipiaú. A demanda chega até 200 atendimentos diários, o que exige bom desempenho de uma equipe constituída por quase 300 profissionais, entre médicos, enfermeiros, técnicos em enfermagem e pessoal de apoio. São aproximadamente 50 sesabianos, ou seja o pessoal vinculado à Sesab, enquanto os demais funcionários são terceirizados. Em constante revezamento, este efetivo tornou-se mais dinâmico sob o comando do diretor Alex Miranda. Ele age com austeridade, exige empenho, responsabilidade e no cumprimento do dever e muitas vezes radicaliza, mas também contemporiza. São os ossos do oficio.

O diretor

Nascido na Fundação Hospitalar de Ipiaú, criado em Ibirataia, Alexandro Miranda, o popular Alex, tem 45 anos, estudou no Colégio de Rio Novo e na Escola Agrotécnica Chico Mendes, graduo-se em enfermagem, especializando-se em educação sexual e gerontologia. Também cursou odontologia e fisioterapia. Adquiriu conhecimentos de gestão pública e talvez tenha sido isto que lhe conduziu ao cargo de secretário de Saúde de Ibirataia e Nova Ibiá. Prestou assessoria técnica – cientifica em Gandu, Pirai do Norte, Apuarema, Canavieiras, Maracás e Tancredo Neves. Coordenou um projeto de educação sexual, pela Fundação Odebrecht, em 23 municípios do Baixo Sul da Bahia.

A convite do governador Rui Costa e da Primeira Dama, Aline Peixoto, ingressou na Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab) para dirigir durante dois anos e oito meses, uma rede de 29 hospitais, incluindo o Prado Valadares, em Jequié, e outras unidades em Vitória da Conquista e Guanambi. Com tanto conhecimento e experiência acumulada, Alex Miranda volta a Ipiaú para dirigir o HGI. É o 19º gestor da unidade que no próximo dia 2 de Dezembro, estará completando 38 anos de existência. Na oportunidade, Alex pretende inaugurar a galeria de fotos dos ex-diretores, prestando assim uma justa homenagem a quem, como ele, contribuiu com a construção da historia desta unidade de saúde publica que tem prestado relevantes serviços à população de Ipiaú e demais municípios da região. ( GIRO/ José Américo Castro)