Polícia elucida assassinato de detento de Ipiaú no Presídio de Jequié


Fabíola foi morta por espancamento.

Os autores do homicídio do ipiauense Fábio Pereira de Andrade, conhecido também como Fabíola, já foram identificados pela Polícia Civil de Jequié. Fabíola morreu após uma série de espancamento dentro do Pátio Semi 2, do Conjunto Penal de Jequié, na  tarde da última terça-feira (31). Nossa reportagem apurou que Fabíola, presa por tráfico de drogas em setembro do ano passado, estava prestes a deixar o presídio.

De acordo com a polícia, indícios apontam que Fábio, que era homossexual, “foi morto por questão de gênero”. Segundo informações levantadas na delegacia da cidade, Fabíola tentou defender outro interno que estava sendo torturado pelos suspeitos, que são líderes de facção criminosa que atua em Jequié e região na prática de homicídio e tráfico de drogas.

Conforme a polícia, após a morte de Fábio, a corporação tomou conhecimento que os autores do crime, além de terem cometido o homicídio, teriam torturado outro interno por dois dias, mantendo-o dentro da cela do pátio, sem que saísse para qualquer atividade externa. Diante dos fatos, a polícia entrou em contato com o Diretor do conjunto penal, solicitando a imediata retirada do referido interno, para que também não fosse morto. Ele foi encaminhado à delegacia, para ser ouvido.

Em depoimento, o detento identificou os suspeitos de matar Fabíola e disse que a vítima foi atingida por chutes, socos e golpes de faca improvisada. A polícia também expediu guia para exames de lesões do interno e solicitou atendimento médico para ele. A  Polícia Civil solicitou a transferência dos acusados para o Presídio em Serrinha.