Mais um grande jogador sai de cena e entra na história do futebol de Ipiaú


Wilson Folha Podre tinha 69 anos.

Morreu ao meio dia da última terça-feira, 22, o ex-jogador Wilson Ramos Santos. Ele tinha 69 anos e foi considerado um dos mais habilidosos atacantes do futebol ipiauense. Jogava na ponta esquerda, mas também teve atuações memoráveis como lateral esquerda do Independente Esporte e Cultura, onde começou nas divisões de base e ingressou na equipe titular com apenas 16 anos.

Em partida no Campo da Baixada.

Jogar ao lado de Gajé, Gino, Buerinho, Davi, Tanajura e outros lendários craques do interior baiano, não era para qualquer um. O jovem atleta teve este mérito e se impôs com a grandeza de sua simplicidade. “Wilson era um jogador versátil”, sintetiza o comentarista esportivo Orlindo Lopes, que também foi seu contemporâneo no elenco do Independente.

Na Seleção de Ipiaú que disputou pela 1ª vez o Intermunicipal.

Na primeira Seleção de que disputou um Campeonato Intermunicipal, no ano de 1968, o hábil ponta esquerda teve lugar de destaque. Apelidado de Wilson ‘Folha Podre’, mas também conhecido como “Wilson de Ariston”, o saudoso atleta teve uma rápida passagem pelo time do Vasco da Gama, e encerrou sua trajetória em clubes que disputavam o Campeonato da Baixada.

Wilson herdou do pai Ariston Vieira Santos, a profissão de açougueiro. Há cerca de quatro anos sofreu um AVC e desde então vinha lutando contra outras enfermidades. Morreu em sua residência, na antiga Feirinha, vitima de um infarto fulminante. Foi sepultado na mesma data da sua morte, no Cemitério Velho. Deixou 4 filhos (Márcia, Marcelo, Fabio e Wilma), sete netos e um bisneto. Um dos seus netos, “Fofão”, também é jogador de futebol.( Giro/ José Américo Castro).