Itagibá: Vereador Inho Baiano nega acusações e atribui fato a perseguição política


Vereador foi preso acusado de embriaguez, desacato e de descumprir decreto.

O vereador de Itagibá, Lázaro Damascena Pires, o Inho Baiano (PCdoB), detido pela PM na noite de sexta-feira (26), acusado de embriaguez, desacato e descumprimento de decreto municipal (ver matéria), manifestou-se através de uma nota enviada ao GIRO, negando as acusações e atribuindo o fato a perseguição política.

“Na última sexta-feira, por volta das 20hs, quando retornava para casa, fui abordado por dois agentes da guarda municipal, que de forma lamentável, em total desacordo com os princípios e a conduta de seus colegas no município, agiram de forma truculenta e equivocada, com o porte ilegal de armas de fogo por um dos agentes, sem possuir registro, ou treinamento especifico, colocando em risco todas as pessoas presentes. Ali fui acusado indevidamente, com agravo, pelo fato está reivindicando medidas efetivas de combate ao Coronavírus”, comenta o vereador na nota.

Ele ainda destaca na nota: “Quero informar a comunidade que me conhece, sabe da forma comunicativa, amigável que trato a todos. Homem público, cuidadoso do nosso município e querido em toda região. Sempre abordo a todos com respeito e educação, e em momento algum usei de deboche ou desacato. Mas fiz reivindicações quanto à má gestão da pandemia, do município, principalmente por vê amigo sendo acometidos por esse vírus”. Clique aqui e veja a nota na íntegra.