STF concede prisão domiciliar a Geddel


Foto: Dida Sampaio, Estadão Conteúdo

O ex-ministro Geddel Vieira Lima deixou por volta das 13h desta quarta-feira (15) o Complexo da Mata Escura, em Salvador, onde cumpria pena de 14 anos e 10 meses, por lavagem de dinheiro e associação criminosa. Ele deixa a unidade para cumprir prisão domiciliar, após liminar concedida pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Geddel vai cumprir a prisão domiciliar em um apartamento que ele tem no bairro do Chame-Chame. Após a liminar deferida pelo STF no final da noite de terça-feira (14), em favor da prisão domiciliar de Geddel, o Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) fez o despacho e encaminhou à Secretaria de Administração Penitenciária da Bahia (Seap), que fez o cumprimento da decisão. Na terça, o ministro Dias Toffoli concedeu 48 horas para a Vara de Execuções Penais da Bahia enviar informações sobre a saúde de Geddel Vieira Lima, após a defesa do ex-ministro pedir concessão de prisão domiciliar em razão da pandemia do novo coronavírus.

Na decisão, Dias Toffoli afirma que a defesa de Geddel comprovou suas alegações, com documento expedido pela Secretaria de Administração Penitenciária e Ressocialização do Estado da Bahia (Seap), no qual atesta que o ex-ministro, ao realizar o exame de teste rápido em 8 de julho, testou positivo para a Covid-19. No dia 8 de julho, a defesa de Geddel informou que ele foi diagnosticado com Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. No entanto, três dias depois, a contra-prova do exame deu negativa. Depois, a defesa relatou que a Secretaria de Administração Penitenciária (SEAP) da Bahia divulgou uma nota informando que o segundo exame de Geddel deu resultado negativo.