Em um mês, vacina de Oxford já testou mais de 700 baianos


Foto: Marina Silva/ Arquivo CORREIO

Das três vacinas para o coronavírus que são testadas em Salvador atualmente, a da Universidade de Oxford já foi aplicada em mais de 700 baianos. Até essa terça-feira (11), dos 1,5 mil voluntários da Bahia, 719 pessoas receberam as doses do potencial imunizante para a covid-19 ou do placebo, que é a vacina da meningite.

Esses voluntários foram selecionados desde a abertura das inscrições para os soteropolitanos, no dia 11 de julho. Quem foi vacinado não sabe qual dose tomou. Essa diferença faz parte do ensaio clínico que verifica se o imunizante tem mesmo capacidade de proteger as pessoas do vírus Sars-CoV-2.

Os pesquisadores do Instituto D’Or, que coordena os estudos em Salvador, vão acompanhar os voluntários durante um ano, pelo menos, no Hospital São Rafael, que pertence ao grupo. O estudo mundial é fruto de uma parceira da Universidade de Oxford, do Reino Unido, com a empresa biofarmacêutica AstraZeneca.

No total, 50 mil pessoas participam dos testes em todo o mundo, sendo 10% delas (5 mil voluntários) no Brasil, divididos entre as cidades de Rio de Janeiro (1,5 mil testados) e São Paulo (2 mil testados), além da capital baiana. Inicialmente, a Universidade de Oxford havia anunciado que testaria a vacina em 130 países, sendo três mil voluntários no Brasil: mil em Salvador, mil em São Paulo e mil no Rio de Janeiro.