Com dinheiro do auxílio emergencial, moradora de Ipiaú quita dívidas e monta o próprio negócio


Elisângela abriu uma barraca de frutas e verduras.

Aproveitar a oportunidade e prosperar. Foi esse o pensamento da mãe solteira Elisângela dos Santos Ferreira, 40 anos, natural de Ipiaú, residente na Avenida São Salvador, ao receber o benefício financeiro concedido pelo Governo Federal neste período de enfrentamento à crise causada pela pandemia do novo coronavírus. Ela estava desempregada e tinha algumas dividas a quitar. Tão logo recebeu as duas primeiras parcelas de R$1.200,00, Elisângela tratou de pagar as contas do aluguel da casa onde mora, assim como quitar os talões de água e energia elétrica que estavam em atraso, além de outras despesas.

Elisângela iniciou com vendas de temperos naturais.

Ao receber a terceira parcela comprou ingredientes para produzir sal temperado e saiu vendendo o produto de casa em casa e nos estabelecimentos comerciais da cidade. A mercadoria é transportada em um carrinho de mão comprado pela internet. O resultado das vendas animou a beneficiária. Elisângela seguiu em frente com sua vontade de prosperar. O montante da quarta parcela, juntamente com o lucro do investimento, lhe proporcionou um capital de giro suficiente para investir na compra de uma barraca para negociar frutas e verduras. O empreendimento foi instalado na porta da sua residência e vem dando certo. Os investimentos prosseguiram com a aquisição de uma máquina de descascar alho, condimento que faz parte do seu plantel de oferta, juntamente com outros temperos.

Elisângela que estava desempregada, hoje conta com duas frentes de trabalho, tornou-se uma microempresária e um bom exemplo de que não se pode desperdiçar oportunidades. Ela tem dois filhos e frequenta a Igreja Adventista e diz contar com o incentivo de parentes e amigos. “As pessoas falam que eu fiz uma coisa certa e se todos que recebem a ajuda do Governo Federal fizessem bom uso do recurso, a situação não seria de dificuldade após a pandemia”, conclui a investidora. (Giro/José Américo Castro).