Festival Internacional do Chocolate e Cacau tem 11ª edição em Ilhéus


Foto: Setur/ Divulgação

A 11ª edição do Festival Internacional do Chocolate e Cacau chega à cidade de Ilhéus, na quinta-feira (18). O evento será no Centro de Convenções do município e segue até o domingo (21). Produtos de 13 empreendimentos solidários de diversas cidades do sul da Bahia serão vendidos durante o festival. Entre os destaques, está o lançamento de um creme de cacau produzido por um grupo de empreendedoras da zona rural de Camacan.

Além disso, a programação do festival também contará com cursos, palestras, workshops, feira e ateliê do chocolate, exposições de arte, turismo em fazendas, espaço educativo para crianças e shows com artistas regionais e nacionais. Na última edição, mais de 65 mil pessoas estiveram no evento, entre elas produtores, chocolateiros, empreendedores, chefs, pesquisadores, técnicos e consumidores. Além disso, 120 expositores, sendo 42 deles de marcas de chocolate da região, marcaram presença no festival.

Safra brasileira de cacau apresenta sinais negativos na temporada


Foto: Reprodução

Como se não bastasse as frustrações passadas por produtores nas últimas 03 temporadas, a safra corrente 19/20 mostra sinais de fraqueza e poderá esboçar números inferiores ainda. Logo no início do ano, uma estiagem breve na Bahia apresentando temperaturas recordes acima de 42°, deixaram sequelas de grandes proporções para o desenvolvimento do temporão. Apesar das precipitações entre os meses de março e maio, os solos seguem registrando níveis de umidade abaixo da média. No Pará, onde as lavouras apresentaram números recordes na última temporada, atualmente são visíveis os sinais de redução dos frutos em árvores. Técnicos ressaltam perdas acima de 30% comparando com os volumes da safra anterior.

Perdas do temporão à parte, as preocupações aumentam com as prospecções de safra principal que estão sendo realizadas no campo. Pesquisas realizadas durante o mês de maio, apontaram para um cenário desastroso, desenhado uma forte ausência de flores e bilros para formação da safra que acontece entre outubro e abril. Os números de frutos sinalizam volumes 60% abaixo da média das últimas 04 temporadas. Diante desse cenário, nos resta aguardar os estudos que serão realizados nos próximos meses e torcer para uma reversão. *As informações são do Mercado do Cacau

Beneficiamento do cacau aumenta em 220% faturamento de produtores rurais baianos


Foto: Rotas do Cacau

Transformar amêndoas de cacau em derivados como chocolates finos não serve apenas para agradar o paladar. O beneficiamento do fruto pode aumentar em até 2.000% o faturamento dos produtores rurais, segundo o Ministério da Agricultura (Mapa). Os especialistas do órgão federal estimam que a agregação de valor, desde a amêndoa até o chocolate gourmet, é capaz de aquecer a cadeia produtiva que movimenta mais de R$ 20 bilhões por ano no Brasil.

Entre os produtores baianos o percentual de crescimento do faturamento ainda é mais modesto, mas eles acreditam que podem atingir a marca dos três dígitos, desde que consigam realizar a cadeia completa, da produção em campo até a venda final para o consumidor. De olho neste nicho de mercado, muitos estão investindo no beneficiamento de parte da produção, e deixando de repassar 100% das amêndoas exclusivamente para as indústrias moageiras. *As informações são do CORREIO

Cacauicultores baianos poderão quitar dívidas com até 80% de desconto e acessarem crédito rural


Foto: Divulgação

O deputado estadual Eduardo Salles articulou reunião, nesta segunda-feira (29), com o presidente da Agência de Fomento do Estado da Bahia (Desenbahia), Francisco Miranda, o superintendente do Banco do Nordeste, José Gomes, o consultor de Relações Institucionais da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Nelson Fraga, e o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária da Bahia (FAEB), Humberto Miranda, e técnicos dessas instituições financeiras. “O objetivo foi resolver um imbróglio de interpretação jurídica, que perdura há anos, e prejudica o desenvolvimento da cacaueira porque os produtores não podem quitar suas dívidas com as premissas da Lei 13.340 que permitiria a eles receberem descontos de até 80%, retirando juros de mora e outros encargos, e na sequência a possibilidade de concessão de novo crédito”, explica Eduardo Salles. (mais…)

Descoberta traz nova esperança contra a vassoura-de-bruxa


Fungo chegou à Bahia há 30 anos e dizimou plantações.

No ano em que se completa 30 anos da entrada da vassoura-de-bruxa na Bahia, muitas pesquisas estão em andamento para combater esta e outras doenças que ameaçam dizimar o chamado ouro negro das florestas tropicais. Além da vassoura-de-bruxa, praga que mais prejudicou a cacauicultura brasileira, os cientistas procuram respostas para combater outras dezenas de doenças e pragas que afetam os pomares, entre elas a podridão-parda. Uma solução definitiva pode ainda não ter sido alcançada, mas depois de décadas de estudos, os resultados concretos estão começando a aparecer. E a genética tem se consolidado como uma das principais ferramentas. Depois de testar 74 moléculas, um grupo de cientistas identificou uma capaz de agir contra a vassoura-de-bruxa. Por enquanto ela tem nome complicado, está sendo chamada de NPD 7j-41. Segundo os pesquisadores, a molécula é capaz de inibir a ação de uma enzima presente no fungo que causa a doença. A descoberta, publicada este mês na Revista Científica Pest Management Science, já vem sendo apontada como um marco inovador para a cacauicultura. Resultado de mais de duas décadas de pesquisas, a molécula aponta novos rumos para os cientistas. “Em vez de nos dedicarmos à formulação de um fungicida, como seria usual, nós vamos partir para a produção de uma substância que possa fortalecer o sistema imunológico do cacaueiro, para este conseguir destruir o patógeno”, afirma Gonçalo Amarante Pereira, coordenador do estudo e do laboratório de Genômica da Unicamp. Leia mais no CORREO

Após 2 anos de queda, cacau pode se tornar o rei das commodities


Depois de sofrer grandes perdas em 2016 e 2017, em meio a constantes preocupações com o excesso de oferta, ninguém apostava em uma alta tão expressiva do cacau. Mas faltando apenas oito semanas para o fim do ano e promessas de grande consumo de chocolates e doces assados no período de festas, o cacau pode muito bem acabar se tornando o “Rei das Commodities” em 2018.
Os contratos futuros desse ingrediente essencial para o setor de confeitaria e bebidas subiram 22% no acumulado do ano na Bolsa Mercantil de Nova York, ofuscando os 11% de perdas da commodity no ano passado e a surpreendente queda de 33% em 2016.
Por enquanto, a única commodity que parece ter uma chance real de destronar o cacau é o gás natural, que teve 19% de ganho e cujos preços podem subir ainda mais com o início do clima frio e com a demanda de aquecimento na maior parte dos Estados Unidos. Leia mais

Plano para aumentar produção de cacau vai beneficiar 114 municípios baianos


As ações estratégicas que têm o objetivo de elevar, em cinco anos, a produção baiana de cacau, elaboradas pelo Governo do Estado, serão destinadas a agricultores de 114 municípios, localizados nos territórios de identidade da Bahia: Litoral Sul, Médio Rio das Contas e Baixo Sul.
O Plano Operacional para o Cacau e Chocolate da Bahia 2018 – 2022 inclui regularização fundiária e ambiental, difusão tecnológica, assistência técnica e extensão rural (ATER), formação, capacitação, educação, gestão e empreendedorismo, infraestrutura rural, acesso ao crédito rural, até agregação de valor e comercialização da produção.
O lançamento do projeto será nesta quinta-feira (8), no auditório da Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac), Km 22 da Rodovia Ilhéus/Itabuna. Integram o plano as secretarias estaduais de Desenvolvimento Rural (SDR), de Agricultura, Pecuária, Irrigação, Pesca e Aquicultura (Seagri), de Desenvolvimento Econômico (SDE), de Turismo (Setur) e de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti).
*Com informações do Mercado do Cacau

Brasil poderá liderar aumento da produção mundial de cacau


A história do cacau no Brasil já passou por altos e baixos, mas os esforços recentes dessa cadeia no País para recuperar a produção já são vistos com otimismo pela comunidade internacional. Recém-nomeado para a diretoria executiva da Organização Internacional do Cacau (ICCO, na sigla em inglês), o belga Michel Arrion disse ao Valor que acredita que o Brasil deve liderar o crescimento de produção em todo o mundo, ao menos pelas próximas cinco safras.
As safras de cacau do Brasil têm sofrido nos últimos anos com a longa seca que abateu o Nordeste e derrubou os índices de produtividade na Bahia. Ao mesmo tempo, a produção do Pará vem demonstrando franco crescimento, com o apoio da Comissão Executiva de Planejamento da Lavoura Cacaueira (Ceplacc).
A estimativa da ICCO é de que a produção brasileira aumentará a uma taxa de 2,6% ao ano entre a safra atual (2018/19, iniciada neste mês) e a safra 2022/23.
Se essa estimativa estiver correta, o Brasil deve atingir quase 200.000 toneladas de cacau em cinco temporadas, contra a produção de 180.000 toneladas no ciclo recém-iniciado (2018/19), segundo estimativa da Associação Nacional da Indústria Processadora de Cacau (AIPC). O setor almeja alcançar 400.000 toneladas daqui dez anos. Leia mais no Mercado do Cacau

Governo da Bahia articula políticas de fomento à cadeia do cacau


Implementação de políticas de desenvolvimento da atividade
cacaueira na Bahia, para fomentar, tanto o aumento da produção de commodities,
quanto a melhoria da produtividade do cacau fino, de especialidade, destinado à
fabricação de chocolate. Esse foi o ponto de partida das discussões que
envolveram as secretarias da Agricultura/ Agência de Defesa Agropecuária do
Estado (Seagri/Adab), de Desenvolvimento Econômico (SDE), do Meio Ambiente
(SEMA), de Desenvolvimento Rural (SDR) e a Comissão Executiva do Plano da
Lavoura Cacaueira (Ceplac), nesta quarta-feira (17). Educação fitossanitária,
fiscalização e desenvolvimento de pesquisas para produção de mudas resistentes,
foram alguns dos eixos estratégicos traçados. Leia mais…