Cacauicultores baianos poderão quitar dívidas com até 80% de desconto e acessarem crédito rural


Foto: Divulgação

O deputado estadual Eduardo Salles articulou reunião, nesta segunda-feira (29), com o presidente da Agência de Fomento do Estado da Bahia (Desenbahia), Francisco Miranda, o superintendente do Banco do Nordeste, José Gomes, o consultor de Relações Institucionais da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Nelson Fraga, e o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária da Bahia (FAEB), Humberto Miranda, e técnicos dessas instituições financeiras. “O objetivo foi resolver um imbróglio de interpretação jurídica, que perdura há anos, e prejudica o desenvolvimento da cacaueira porque os produtores não podem quitar suas dívidas com as premissas da Lei 13.340 que permitiria a eles receberem descontos de até 80%, retirando juros de mora e outros encargos, e na sequência a possibilidade de concessão de novo crédito”, explica Eduardo Salles. (mais…)

Descoberta traz nova esperança contra a vassoura-de-bruxa


Fungo chegou à Bahia há 30 anos e dizimou plantações.

No ano em que se completa 30 anos da entrada da vassoura-de-bruxa na Bahia, muitas pesquisas estão em andamento para combater esta e outras doenças que ameaçam dizimar o chamado ouro negro das florestas tropicais. Além da vassoura-de-bruxa, praga que mais prejudicou a cacauicultura brasileira, os cientistas procuram respostas para combater outras dezenas de doenças e pragas que afetam os pomares, entre elas a podridão-parda. Uma solução definitiva pode ainda não ter sido alcançada, mas depois de décadas de estudos, os resultados concretos estão começando a aparecer. E a genética tem se consolidado como uma das principais ferramentas. Depois de testar 74 moléculas, um grupo de cientistas identificou uma capaz de agir contra a vassoura-de-bruxa. Por enquanto ela tem nome complicado, está sendo chamada de NPD 7j-41. Segundo os pesquisadores, a molécula é capaz de inibir a ação de uma enzima presente no fungo que causa a doença. A descoberta, publicada este mês na Revista Científica Pest Management Science, já vem sendo apontada como um marco inovador para a cacauicultura. Resultado de mais de duas décadas de pesquisas, a molécula aponta novos rumos para os cientistas. “Em vez de nos dedicarmos à formulação de um fungicida, como seria usual, nós vamos partir para a produção de uma substância que possa fortalecer o sistema imunológico do cacaueiro, para este conseguir destruir o patógeno”, afirma Gonçalo Amarante Pereira, coordenador do estudo e do laboratório de Genômica da Unicamp. Leia mais no CORREO

Após 2 anos de queda, cacau pode se tornar o rei das commodities


Depois de sofrer grandes perdas em 2016 e 2017, em meio a constantes preocupações com o excesso de oferta, ninguém apostava em uma alta tão expressiva do cacau. Mas faltando apenas oito semanas para o fim do ano e promessas de grande consumo de chocolates e doces assados no período de festas, o cacau pode muito bem acabar se tornando o “Rei das Commodities” em 2018.
Os contratos futuros desse ingrediente essencial para o setor de confeitaria e bebidas subiram 22% no acumulado do ano na Bolsa Mercantil de Nova York, ofuscando os 11% de perdas da commodity no ano passado e a surpreendente queda de 33% em 2016.
Por enquanto, a única commodity que parece ter uma chance real de destronar o cacau é o gás natural, que teve 19% de ganho e cujos preços podem subir ainda mais com o início do clima frio e com a demanda de aquecimento na maior parte dos Estados Unidos. Leia mais

Plano para aumentar produção de cacau vai beneficiar 114 municípios baianos


As ações estratégicas que têm o objetivo de elevar, em cinco anos, a produção baiana de cacau, elaboradas pelo Governo do Estado, serão destinadas a agricultores de 114 municípios, localizados nos territórios de identidade da Bahia: Litoral Sul, Médio Rio das Contas e Baixo Sul.
O Plano Operacional para o Cacau e Chocolate da Bahia 2018 – 2022 inclui regularização fundiária e ambiental, difusão tecnológica, assistência técnica e extensão rural (ATER), formação, capacitação, educação, gestão e empreendedorismo, infraestrutura rural, acesso ao crédito rural, até agregação de valor e comercialização da produção.
O lançamento do projeto será nesta quinta-feira (8), no auditório da Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac), Km 22 da Rodovia Ilhéus/Itabuna. Integram o plano as secretarias estaduais de Desenvolvimento Rural (SDR), de Agricultura, Pecuária, Irrigação, Pesca e Aquicultura (Seagri), de Desenvolvimento Econômico (SDE), de Turismo (Setur) e de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti).
*Com informações do Mercado do Cacau

Brasil poderá liderar aumento da produção mundial de cacau


A história do cacau no Brasil já passou por altos e baixos, mas os esforços recentes dessa cadeia no País para recuperar a produção já são vistos com otimismo pela comunidade internacional. Recém-nomeado para a diretoria executiva da Organização Internacional do Cacau (ICCO, na sigla em inglês), o belga Michel Arrion disse ao Valor que acredita que o Brasil deve liderar o crescimento de produção em todo o mundo, ao menos pelas próximas cinco safras.
As safras de cacau do Brasil têm sofrido nos últimos anos com a longa seca que abateu o Nordeste e derrubou os índices de produtividade na Bahia. Ao mesmo tempo, a produção do Pará vem demonstrando franco crescimento, com o apoio da Comissão Executiva de Planejamento da Lavoura Cacaueira (Ceplacc).
A estimativa da ICCO é de que a produção brasileira aumentará a uma taxa de 2,6% ao ano entre a safra atual (2018/19, iniciada neste mês) e a safra 2022/23.
Se essa estimativa estiver correta, o Brasil deve atingir quase 200.000 toneladas de cacau em cinco temporadas, contra a produção de 180.000 toneladas no ciclo recém-iniciado (2018/19), segundo estimativa da Associação Nacional da Indústria Processadora de Cacau (AIPC). O setor almeja alcançar 400.000 toneladas daqui dez anos. Leia mais no Mercado do Cacau

Governo da Bahia articula políticas de fomento à cadeia do cacau


Implementação de políticas de desenvolvimento da atividade
cacaueira na Bahia, para fomentar, tanto o aumento da produção de commodities,
quanto a melhoria da produtividade do cacau fino, de especialidade, destinado à
fabricação de chocolate. Esse foi o ponto de partida das discussões que
envolveram as secretarias da Agricultura/ Agência de Defesa Agropecuária do
Estado (Seagri/Adab), de Desenvolvimento Econômico (SDE), do Meio Ambiente
(SEMA), de Desenvolvimento Rural (SDR) e a Comissão Executiva do Plano da
Lavoura Cacaueira (Ceplac), nesta quarta-feira (17). Educação fitossanitária,
fiscalização e desenvolvimento de pesquisas para produção de mudas resistentes,
foram alguns dos eixos estratégicos traçados. Leia mais…