Crônica: Tem nova corte no Reino de Ipiaú


(Foto: Giro Ipiaú).
*Por José Américo Castro.
Nova corte no Palácio da Alberto Pinto. Novos pajens, novas
damas. No trono uma rainha chamada Maria. Esta alusão melhor seria se o regime
fosse uma monarquia, embora nada impeça de recorrermos às parábolas. Maria
apresentou-se com a leveza da pluma, mas diante de tempos plúmbeos que a crise
econômica configura, ela já admite a dureza do ferro.
Na leitura do seu discurso de posse, em duas laudas
digitadas, anunciou que poderá adotar medidas duras, caso sejam necessárias, no
decorrer da sua gestão. Prenúncios dos novos tempos, possibilidades de pesadas
cargas tributárias, sacrifícios…
Assuntos mais promissores, entretanto, não deixaram de ser
abordados para uma melhor oxigenação do povo que em tanta esperança lhe
conduziu ao poder. Maria “A Primeira”. O título que agora lhe atribuem é por
ter sido a primeira mulher a chegar ao Poder Executivo do município como
titular em uma eleição. Sandra Lemos foi vice de José Mendonça e ocupou o cargo de
prefeita pela benevolência do titular que acreditava na sua capacidade
administrativa. Hoje ninguém mais fala em Sandra.
Na solenidade de posse, Maria estava vestida de verde, a cor
da esperança. Ao seu lado a filha Flávia se mostrava atenta aos movimentos. Flávia deverá desempenhar um papel de fundamental
importância nos bastidores palacianos. Altivez da imperatriz homônima não lhe
falta. Maria garantiu transparência, atenção aos mais carentes, austeridade,
verdade…
Os grandes da nova corte, damas e cavalheiros, esperavam
outra configuração no resultado da eleição para o comando do parlamento. Deu o
vereador Carlinhos (José Carlos Bispo dos Santos) -PP- e Jô da AABB
(vice-presidente).
Na presidência da Mesa Diretora da Câmara, Carlinhos terá
como 1º secretário o ex-presidente Jean Kleber da Silva Cunha- PTdoB- e como 2º
Secretário o vereador Pery, esposo da vice-prefeita Margarete Chaves.
A corte torcia por Cláudio do grupo de Cesário. Os nomes de
ambos lembram celebres imperadores romanos.
Os conchavos foram inevitáveis no processo de composição das
chapas para a escolha da Mesa Diretora. O princípio da proporcionalidade fez
unir PP com PMDB e PTdoB, assim como o PSD com DEM e o PT. Uma verdadeira
geleia geral. A democracia é assim.
Ao contrário do que os novos palacianos imaginam, e por mais
paradoxal que possa parecer, a Mesa Diretora recém instalada poderá ser bem
mais útil à Maria do que àquela que se pretendia. ”A males que vem para o bem”.
Carlinhos, Jô e Pery sempre foram fiéis escudeiros da
bandeira cor de rosa. Nunca desertaram das fileiras do PP. O tempo é o senhor
da razão.
Agora tem uma coisa: a Câmara não pode, em hipótese alguma,
ser extorsiva e nem fisiologista ou subserviente e prostituída. Que seja autêntica
e honre a sua condição de um poder independente.
Rei morto, rei posto, diz um ditado popular, utilizado no
contexto político quando surge a necessidade imediata de substituir um
governante por outro, sem com que haja um grande período de vacância de poder. Deraldino
mandatário até o ano passado foi destronado na manhã desse domingo, 1º de
Janeiro de 2017. Surpreendentemente ele não perdeu a pose. Deu lição de
grandeza democrática ao comparecer à cerimônia de posse de Maria e na
transmissão do cargo.
Mesmo sabendo que seria vaiado no recinto, Deraldino teve a
coragem de quebrar a negativa sequência de ex-prefeitos derrotados não
comparecerem à posse dos opositores vitoriosos. Marcou ponto, resgatou uma antiga tradição da nobreza
política ipiauense.
Estamos sobe a regência de Maria: ”A Primeira”. Ela também é
chamada de “Mainha” e de “ A Generosa”. Que seu governo seja de prosperidade e
faça o povo feliz. *Por José Américo Castro