Coluna Fractais Culturais – por José Américo Castro


Fotografo ipiauense expõe em São Paulo imagens captadas na ilha de Cuba

O jornalista e fotografo Rodrigo Sombra. 33 anos, está expondo na Galeria São Paulo Flutuante, em São Paulo. A mostra, intitulada  Noite Insular: Jardins Invisíveis”, traz 30 fotografias captadas com câmeras analógicas durante os cinco meses em que ele esteve em Cuba. O imaginário marítimo da famosa ilha caribenha é ponto de referência da mostra que conta com a apresentação de Caetano Veloso e curadoria da marchand e estilista tropicalista Regina Boni. O renomado cantor e compositor rasga elogios ao talentoso fotografo natural de Ipiaú e filho do médico ginecologista Leôncio Campos. “Sombra revela-se um artista verdadeiro e um observador sensível. A beleza de suas fotos reside na aventura humana de quem capta e de quem é captado. Isso leva quem as vê a pensar mais longe e sentir mais fundo”, assegura Caetano. O título da série que explora os estímulos da presença estrangeira em Cuba é inspirado num poema do escritor cubano José Lezama Lima. Existe possibilidade de Rodrigo Sombra trazer “Jardins Invisíveis” até sua terra natal

O disco de BicoCom aquela força de Ayan Ubráis Barco, o poeta, cantador e instrumentista “Bico”, realizou o sonho de gravar seu primeiro disco. O CD recebeu o nome de ”Alegria da Vida”, e foi gravado no estúdio itinerante Canoa Sonora e no estúdio 1003. A obra traz aboios, cantorias, repentes, ao som sanfonas, violas e outros instrumentos. “Atmosferas roçalianas condizentes”, como diz Ubráis.

 AABB CulturalPassada a Semana Santa a diretoria da AABB de Ipiaú, sob a presidência de Rodrigo Burity, pretende intensificar sua programação cultural com apresentações musicais, às sextas e domingos, na área o parque aquático. Pelo happy hour das sextas e no som da domingueira já passaram artistas como Lucas  Maia, Léo Alves,Duda Perkata de Couro, Netinho Cabral e seu Agreste e Juninho dos Teclados, dentre outros

Homenagem a Êpa ÊpaDepois de Cacau da Zabumba e seu Davi do Bumba Boi, a personalidade ipiauense a ser homenageada pela Prefeitura Municipal de Ipiaú durante a Festa de São Pedro, será o folclórico Êpa Êpa que ganhava o sustento de sua família vendendo pão pelas ruas cidade,.”Êpa Êpa olha o paaaão…, com este bordão ele ia percorrendo a freguesia, mercando seu produto. O  marketing era tão eficaz que substituiu seu próprio nome. Se perguntassem por Antonio Ferreira da Silva, ninguém em Ipiaú, com exceção dos seus familiares, saberia dizer quem era, mas quando se falava em “Êpa Êpa”, toda a comunidade garantia ser aquele velhinho que vendia pão. Foram 35 anos  de labuta, conduzindo a cobiçada mercadoria num carrinho de mão. Justa homenagem a um cidadão simples e grandioso.

Forró em ItacaréNo IIIº Festival de Forró de Itacaré, ocorrido no último final de semana, o sanfoneiro Targino Gondim fez boas referencias ao jovem artista ipiauense Davi Lisboa com quem gravou, no ano passado, o programa “São João da Tradição”, pelo SBT, oportunidade em que ambos tocaram o melhor do forró nordestino.

Em cartazO Projeto Cultural Boa Música, capitaneado por Luis Moreira e o Studio A, traz para o Chalet Suisse a música romântica de PACATO, um dos expoentes da seresta ipiauense.O show começa às 21 horas deste sábado, 27.  Será cobrado couvert artístico no valor de R$ 5,00, por pessoa.Na Estação do Chopp, no Shopping Liberdade, tem musica sertaneja nesta sexta-feira, da dupla  ANDRÉ  & EDUARDO, com participação especial da espetacular LARISSA SOUZA. Sábado, no mesmo local,Tem NETINHO CABRAL E CÉLIA SANTOS.Na Segundinha Cultural do Bar Bossa (Rua Mariquinha Borges) a atração desta segunda-feira, 29, é IVAN NASCIMENTO com o melhor da MPB.

Darci: da Borges de Barros e ParisAté chegar em palcos franceses  Darci percorreu meio planeta. Deixou Ipiaú no final da década de 1970, separando-se da irmã gêmea, Nanci. Eram totalmente idênticas, mas um bom observador percebia que Darci era ligeiramente mais alta. A dupla das Gazas da Borges de Barros destacava-se pela popularidade, quesito em que Darci também levava vantagem pela irreverente e ousada espontaneidade. Darci morou na famosa Arembepe do amor livre. Em Salvador ela comandou cozinhas de restaurantes naturebas até partir para a Guiana Francesa. Viveu também no Canadá. Pilotando a cozinha de um veleiro cruzou o Atlântico em 48 dias. Fez escala nas Ilhas Canárias e finalmente aportou no Senegal. Hoje Darci é chef de cuisine em Dijon. É a graça, a força e a criatividade da mulher de Ipiaú brilhando intensamente muito além de suas fronteiras. Viva, minha querida amiga da adolescência.( texto de Zilton Rodrigues).

Reflexão de Raul