Construção Civil lidera geração de empregos na Bahia no primeiro trimestre de 2019


Foto: Manu Dias/GOVBA

Dos 11.179 novos postos de trabalho gerados na Bahia neste primeiro trimestre de 2019, o setor de Construção Civil contabilizou 5.501 novos empregos com carteira assinada, figurando como líder dentre os setores da economia, de acordo com as informações do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), sistematizadas pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia – SEI. A Bahia foi o único estado do Nordeste com saldo positivo na geração de empregos formais de janeiro a março deste ano, e o setor que mais contratou foi o da Construção Civil (+5.501), seguido por Serviços (+4.649 postos), Indústria de Transformação (+1.779 postos), Agropecuária (+1.499 postos), Administração Pública (+557 postos), Extrativa Mineral (+229 postos) e Serviços Industriais de Utilidade Pública (+96 postos).­­

 

“O resultado coloca a Bahia entre os sete estados que mais geraram empregos formais no País num momento difícil da economia nacional, enquanto todos os demais estados do Nordeste tiveram perdas significativas de postos de trabalho. O desempenho do setor de Construção Civil é reflexo dos investimentos contínuos do Governo do Estado em grandes obras de infraestrutura, com novas estradas, hospitais, escolas, sistemas de abastecimento de água e redes de esgotamento sanitário, habitação popular e muitas outras obras. Vale ressaltar que esta geração de empregos vem ocorrendo não apenas na Região Metropolitana de Salvador, que somou 3.220 novos postos, como principalmente no interior, com 7.959 empregos formais gerados nos três primeiros meses de 2019”, avaliou o secretário estadual do Planejamento, Walter Pinheiro.

Pesquisa aponta motivos que impedem o jovem de conseguir o 1º emprego


Só este ano a estudante de Letras, Vitória Martins, de 22 anos, soma mais de seis processos seletivos que participou em busca de uma vaga de estágio. A resposta dos recrutadores é sempre a mesma: falta experiência. “Teve até um colégio que chegou a falar ‘ah, se a gente precisar vamos entrar em contato’, mas até hoje não fui aprovada em nenhum deles”, conta a universitária. 
Esse é só um dos cinco principais obstáculos que dificultam a contratação de jovens pelas empresas, segundo um levantamento feito pelo site de empregos Catho. Por incrível que pareça, a falta de experiência é o terceiro maior entrave (16%). De acordo com os mais de 200 recrutadores ouvidos pela pesquisa o maior problema está no comportamento inadequado (48%), seguido da falta de qualificação (25%). Em quarto e quinto lugar, respectivamente, vem a economia do país (7%) e a ausência de um segundo idioma (3%). Leia mais no CORREIO