Ipiaú: Produtor rural é preso após chamar vendedor ambulante de “preto vagabundo”


Flávio foi detido em flagrante (Foto:Giro em Ipiaú)
Depois de um homem chamar uma médica de “preta, pobre e pequena, fato registrado no dia 06 de dezembro do ano passado, mais um caso de injúria racial foi registrado na delegacia de Ipiaú. Na noite desta quarta-feira (06) um pequeno produtor rural foi preso pela polícia militar após se envolver em confusão na Praça Ruy Barbosa. De acordo com relatos do vendedor de cachorro-quente, Lázaro Batista dos Santos, 20, ele teria sido vítima de injúria racial praticada pelo cliente Flávio Augusto de Almeida Barreto, 48. O jovem disse ao GIRO que após o homem o tê-lo chamado de “preto vagabundo”  pela terceira vez, ele reagiu com um soco no rosto de Flávio. – Eu estava lá atendendo os clientes, aí ele (Flávio) chegou pedindo dois cachorros-quentes. Depois que ele comeu pediu dois guardanapos. Ai depois ele pediu novamente e eu dei outra vez. Depois ele se levantou e disse que ia limpar a boca dele na minha blusa. Eu até pensei que era brincadeira, mas ele veio e limpou a boca na manga da minha blusa. Depois disso tudo ele me perguntou “é quanto seu preto vagabundo?”. Eu disse que era 6 reais. Minha namorada quis até atender ele pra evitar confusão, mas ele insistiu em me chamar de preto vagabundo, na quarta vez eu perdi o controle e dei um murro nele, contou Lázaro à reportagem do GIRO.  
Vendedor ambulante registrou um boletim na delegacia local (Foto:Giro em Ipiaú)
A Guarnição Delta do Primeiro Pelotão passava no local e foi solicitada por populares que teriam confirmado a versão do vendedor. Os dois foram encaminhados até a delegacia. Lázaro registrou um boletim de ocorrência contra Flávio Augusto acusando-o de injúria racial. O produtor rural negou as acusações. Em aparente estado de embriaguez, Flávio ficou custodiado no Complexo Policial de Ipiaú e liberado na tarde desta quinta-feira (07). O vendedor não compareceu na delegacia no dia seguinte para ser ouvido. (Giro em Ipiaú)