Ipiaú: Inema fiscaliza e confirma autorização de empresa para extrair areia no Rio de Contas


Visita do órgão aconteceu na manhã desta quinta-feira.
Uma equipe do Instituto do Meio Ambiente e Recurso Hídricos (INEMA) esteve na manhã desta quinta-feira (20) fiscalizando a extração de areia realizada pela Construtora Xavier no Rio de Contas, mais precisamente no local conhecido como “Prainha”. De acordo com o proprietário da empresa, Nerivan Xavier, a equipe do Inema verificou a autorização dos órgãos competentes nas esferas municipal, estadual e federal, e aprovou a forma como está sendo realizado o trabalho. No início deste mês, a nossa reportagem recebeu denúncias que a extração seria ilegal. Mantemos contato com a Construtora e obtivemos acesso aos documentos que autorizam a empresa a extrair areia na bacia do Rio de Contas. A licença vence no ano de 2015. O empresário Nerivan Xavier assegura que a extração de areia desenvolvida pelo seu empreendimento vem se processando com dragas de tecnologia avançada e que comprovadamente não poluem o meio ambiente. A draga tem capacidade de extrair 800 metros cúbicos de areia e toda a água que vem junto com o resíduo retorna ao rio. A extração é limitada ao leito e sendo assim não atinge áreas de preservação permanente (APP) que são aquelas localizadas às margens do manancial (veja matéria completa). 

Ipiaú: Construtora Xavier diz que tem autorização para retirar areia do Rio de Contas


Empresa contribui com o desassoreamento do Rio das Contas.
A presença de dragas no leito do Rio das Contas, alguns quilômetros acima do perímetro urbano de Ipiaú, em um local conhecido como “Prainha”,  tem chamado a atenção da população que transita por aquele local e motivado interpretações diversas. A mais comum dessas interpretações se refere a graves danos ao meio ambiente, sobretudo ao manancial. Esclarecer o que de fato vem acontecendo é o motivo desta reportagem do Giro que esteve no local e colheu informações precisas a respeito do assunto. Trata-se de um processo de extração de areia com fins comerciais desenvolvido pela Construtora Xavier e devidamente licenciado pelos órgãos ambientais competentes. Ao contrario do que muitos pensam o empreendimento vem contribuindo para a revitalização do rio, tendo em vista que a retirada da areia minimiza o assoreamento que a cada dia se avoluma e diminui a oxigenação da água e por consequência compromete a ictiofauna. Retirando o excesso de areia, lixo, entulhos e outros detritos acumulados no leito se consegue aumentar a vazão do rio. Esse processo de desassoreamento deveria ser uma ação governamental permanente.
A retirada da areia acontece numa localidade conhecida como “Prainha”.
O empresário Nerivan Xavier assegura que a extração de areia desenvolvida pelo seu empreendimento vem se processando com dragas de tecnologia avançada e que comprovadamente não poluem o meio ambiente. A draga tem capacidade de extrair 800 metros cúbicos de areia e toda a água que vem junto com o resíduo retorna ao rio. A extração é limitada ao leito e sendo assim não atinge áreas de preservação permanente (APP) que são aquelas localizadas às margens do manancial. Toda a areia extraída é destinada à obras de construção civil em Ipiaú e outras cidades da região. A Construtora Xavier requereu licença para extrair areia em outras áreas do Rio das Contas, sendo uma delas a região do Arara, entretanto Nerivan garante que não vai explorar o local. Esta decisão evita a competição com os extratores tradicionais (areieiros) que ali atuam. “Seria uma concorrência desleal. Ao contrario disso procuro indicá-los a alguns compradores”, explica o empresário. Outra experiência de desassoreamento com a utilização de dragas se processa na barragem da Usina do Funil, só que a areia retirada daquele local não tem licença para fins comerciais. (Giro/José Américo Castro).