Smartphones chineses se transformam em boa opção para brasileiros


Conheça três opções com bom custo-benefício.

Durante muito tempo, pensar em mercadorias chinesas era pensar em pirataria ou em tecnologia frágil. Esse tipo de produto não deixou de existir, mas a China produz muito mais que isso e, no ramo de tecnologia de smartphones, nos dá opções com um custo-benefício bastante interessante. Entre as marcas chinesas com tecnologia de ponta, destacam-se a Huawei e a Xiaomi. A primeira ultrapassou a Apple em 2018, se tornando a segunda maior vendedora de smartphones do planeta, atrás apenas da Samsung, com um aumento de mais de 50% nas vendas. A Xiaomi é a quarta, logo à frente de outra chinesa, a Oppo.

A Huawei está de volta ao Brasil, assim como a Xiaomi, mas com poucos modelos à venda. Por isso, quem quiser adquirir um celular das marcas, é melhor importar em sites chineses, como GearBest, ou comprar em sites nacionais como Mercado Livre e Amazon, que possuem mais modelos.

Na primeira opção, o valor é menor, mas o usuário vai pagar ainda uma taxa de importação da Receita Federal, além da mercadoria demorar até três meses para chegar. Na segunda, a segurança é maior e o smartphone chegará mais rápido, mas com um valor maior. A parte ruim de ambas é a garantia do vendedor, que é pequena, quando há.

Focamos em três aparelhos de valor semelhante: o Xiaomi Mi A2, o Huawei P20 Lite e o Honor 8X, este último fabricado por uma subsidiária da Huawei. Em comum, boas câmeras, bom desempenho, sensores de impressão digital e baterias duráveis.

O P20 Lite é o mais antigo deles, de 2017, e tem um sucessor bem mais potente, o P30, com câmera de 40 megapixels e zoom ótico. As outras marcas também contam com modelos mais suntuosos e caros. Tanto o Mi A2 quanto o 8X foram lançados em 2018.